Trocas comerciais entre Venezuela e Rússia estão a crescer e Moscovo promete reforçar

O governo russo anunciou que irá enviar para Caracas medicamentos e produtos de primeira necessidade, ao abrigo dos acordos de cooperação bilateral existentes.

O comércio entre a Rússia e a Venezuela está a crescer este ano comparando com 2018 e, no quarto trimestre de 2019, vai ser ainda mais reforçado, anunciou este sábado o primeiro vice-ministro russo, Yuri Borísov.

"A tendência deste ano revela um crescimento. As trocas comerciais entre a Venezuela e a Rússia aumentaram 10% em comparação com o ano anterior e vão continuar a aumentar com mais 150 milhões de dólares (135 milhões de euros) para este ano". Yuri Borísov falava em Caracas, durante um encontro da Comissão Intergovernamental Rússia-Venezuela (CIRV), tendo sublinhado que "a Venezuela é um país importante para a Rússia, no âmbito latino-americano".

Por outro lado, explicou que este reforço nas relações comerciais ocorre depois de o Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, ter visitado a Rússia, no passado dia 24 de setembro.

Yuri Borísov adiantou ainda que Moscovo vai enviar para Caracas medicamentos e produtos de primeira necessidade, ao abrigo dos acordos de cooperação bilateral existentes.

O primeiro vice-ministro russo questionou as sanções "unilaterais, coercitivas", que o Governo do Presidente norte-americano, Donald Trump, impõe contra a Venezuela e reafirmou o compromisso da Rússia em contribuir para melhorar a qualidade de vida dos venezuelanos.

A vice-presidente da Venezuela, Delcy Rodríguez, reuniu-se hoje com Yuri Borísov, na Casa Amarilla (sede do ministério das Relações Exteriores) com quem avaliou propostas de comércio bilateral em áreas como o ferro e a petroquímica.

Na reunião participaram também o ministro venezuelano de Relações Exteriores, Jorge Arreaza e o vice-presidente venezuelano para a Área Económica, Tareck El Aissam.

Segundo El Aissami "nos últimos 20 anos, reforçou-se a cooperação política, comercial e económica entre ambos países".

A 26 de setembro último, ao regressar a Caracas de uma visita a Moscovo, Nicolás Maduro anunciou que a Rússia cooperaria com a Venezuela em diversas áreas, entre elas a da energia, técnico-militar, a reposição de peças, assistência técnica e manutenção de equipamentos militares adquiridos à Rússia.

Durante a visita Vladimir Putin anunciou um apoio de cerca de 4.000 milhões de dólares (3.600 milhões de euros) para projetos em diversas áreas.

Segundo Nicolás Maduro, durante a viagem oficial à Rússia foi assinado um novo mapa de cooperação para o desenvolvimento económico da Venezuela.

"Chegámos a um acordo para um novo mapa de cooperação que enfatiza o desenvolvimento económico, industrial, na transferência de tecnologia e na chegada de novos investimentos para entrar numa fase de crescimento e recuperação permanente", afirmou Nicolás Maduro.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG