Tribunal decide que Trump vai mesmo ter de entregar declarações de impostos

Um tribunal de relação dos EUA decidiu que o presidente norte-americano tem mesmo de entregar as declarações fiscais referentes a um período de oito de anos.

É mais uma derrota para o presidente dos EUA. Donald Trump não queria divulgar as suas declarações de impostos, mas esta segunda-feira um tribunal de relação de Nova Iorque decidiu que a empresa de contabilidade de Trump deve entregar oito anos de declarações fiscais ao procurador distrital de Manhathan, Cyrus Vance, um democrata.

O presidente dos EUA está a ser investigado pelo uso de fundos de campanha eleitoral para comprar o silêncio de uma atriz pornográfica, Stormy Daniels, e uma modelo, Karen McDougal, que afirmam ter tido relações sexuais com Donald Trump, antes das eleições de 2016.

no início de outubro, um juiz federal rejeitou o pedido de Trump, que alegou imunidade presidencial, para bloquear a requisição por parte do procurador de Nova Iorque para que a empresa Mazars apresentasse as declarações fiscais do presidente. Os advogados de Trump recorreram, mas, sabe-se esta segunda-feira, sem sucesso.

Trump vai levar o caso ao Supremo Tribunal

O caso não deverá ficar por aqui, uma vez que é expectável que o presidente recorra da decisão levando este processo até ao Supremo Tribunal, cuja maioria conservadora inclui dois juízes nomeados por Trump.

Isso mesmo revela Darren Samuelsohn, um jornalista do site Politico. Segundo o repórter, Jay Sekulow, advogado pessoal do presidente, afirmou que vai levar o caso ao Supremo.

"Defendemos que qualquer imunidade presidencial de processos criminais não impede a aplicação de tal intimação", escreveu o juiz-chefe do segundo círculo de Nova Iorque, Robert Katzmann,​​​​​ na sua sentença, dando razão aos procuradores que justificam o pedido de acesso dizendo que se refere a dados de atos comerciais e financeiros e não a atos oficiais do Presidente.

Alvo de um processo de destituição

Esta é mais uma derrota de Donald Trump, que está a ser alvo de um processo que visa a sua destituição. Aliás, a Câmara dos Representantes conseguiu votos suficientes para recentemente aprovar uma nova fase do impeachment.

Em causa estava não o impeachment do presidente, mas sim a formalização do inquérito que poderá ou não levar à destituição.

A investigação do impeachment visa esclarecer se Trump procurou pressionar o presidente ucraniano Volodymyr Zelensky para o ajudar a investigar Hunter Biden, o filho de Joe Biden, ex-vice-presidente dos EUA e um dos favoritos à nomeação democrata para as presidenciais de 2020.

Trump não tardou a reagir no Twitter, denunciando "A Maior Caça às Bruxas da História Americana!"

Nesta nova fase do processo de destituição, as audições vão deixar de ser à porta fechada. Audições essas que só devem terminar em meados de novembro.

Com Lusa.

Atualizado às 17:34

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG