Terroristas publicam manual de instruções para atentados nos Jogos Olímpicos

Extremistas divulgaram várias técnicas e dicas para quem quiser realizar ataques terroristas no Rio de Janeiro

Extremistas islâmicos publicaram no serviço de mensagens instantâneas Telegram recomendações de 17 técnicas para atentados terroristas durante os Jogos Olímpicos Rio 2016, que vão decorrer entre 5 e 21 de agosto.

Segundo a especialista norte-americana em contraterrorismo Rita Katz, as técnicas passam por atentados a "aeroportos e meios de transporte públicos, esfaqueamento, envenenamento, sequestro de reféns e falsas ameaças".

Além disso, os extremistas também sugeriram um cronograma de ações e afirmaram que "qualquer lobo solitário [pessoa que atua sozinha em ataques] pode agora ir para o Brasil", escreveu a especialista, que trabalha na SITE Intelligence Group, organização que monitoriza atividades terroristas na Internet, na sua conta na rede social Twitter.

Na segunda-feira, Rita Katz alertou que um grupo extremista brasileiro declarou lealdade ao grupo 'jihadista' Estado Islâmico (EI) e criou um canal no Telegram, serviço de mensagens semelhante ao Whatsapp.

O grupo, auto proclamado Ansar al-Khilafah Brazil, destacou que "se a polícia francesa não consegue deter ataques dentro do seu território, o treino dado à polícia brasileira não servirá em nada".

As autoridades brasileiras têm vindo a repetir que não há probabilidade de ataques terroristas durante o maior evento desportivo do mundo, que este ano, pela primeira vez, é realizado na América do Sul.

Porém, na sexta-feira, na sequência do atentado terrorista de Nice, no sul de França, que fez 84 mortos e que foi reivindicado pelo Estado Islâmico, o governo brasileiro informou que ia rever as medidas de segurança para o evento.

"Todas as ameaças relacionadas aos Jogos do Rio 2016 estão a ser minuciosamente apuradas, em particular as relacionadas ao terrorismo", vincou a Agência Brasileira de Inteligência (ABIN), em comunicado divulgado na terça-feira.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.