Suspeito de matar a influenciadora russa Ekaterina Karaglanova confessa crime em vídeo

"Insultava-me constantemente, menosprezava a minha dignidade sexual e diminuía a minha capacidade financeira", justificou o alegado autor do crime.

A polícia russa prendeu um suspeito que confessou ter esfaqueado Ekaterina Karaglanova, a popular influenciadora de 24 anos. O corpo da jovem russa foi encontrado na passada sexta-feira no seu apartamento arrendado, em Moscovo, dentro de uma mala.

O homem - que segundo as autoridades russas se chama Maxim Gareyev,- insinuou que esteve sexualmente envolvido com Karaglanova e confessou tê-la esfaqueado "pelo menos cinco vezes", no pescoço e no peito. Gareyev aparece num vídeo partilhado pela polícia russa a dizer que deveria ser preso por causa do homicídio, revela o Washington Post.

Na gravação, o alegado autor do crime, elenca as razões para ter assassinado a jovem. "Insultava-me constantemente, menosprezava a minha dignidade sexual e diminuía a minha capacidade financeira. Eu não aguentava mais ", justificou. "Estou com remorsos", admitiu o russo.

O corpo de Ekaterina, uma médica recém-licenciada e interna da especialidade de dermatologia, que mantinha um blogue sobre viagens popular na Rússia e uma conta no Instagram, onde assinava como Kati K. - "katti_loves_life" (Katti ama a vida), foi encontrado pelos seus pais no interior de uma mala com a garganta cortada, de acordo com a agência de notícias russa Moskovsky Komsomolets. A família tinha ido à sua procura depois de ter ficado vários dias sem a conseguir contactar.

Segundo a BBC, não é claro se Gareyev tinha ao seu lado um advogado antes ou durante a confissão gravada em vídeo.

Quando foi assassinada, Ekaterina Karaglanova tinha mais de 85 mil seguidores no Instagram - atualmente são mais de 100 mil. Karaglanova publicava regularmente imagens suas no Instagram, onde muitos dos seus seguidores a comparavam à estrela de cinema Audrey Hepburn.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG