Surto de sarampo nas Filipinas já matou 70 pessoas

55 das vítimas mortais são crianças com menos de 4 anos.

As Filipinas encontram-se em crise devido a um surto de sarampo que já contagiou 4300 pessoas e fez 70 mortos, um aumento de 122% comparativamente ao ano anterior, segundo o Departamento de Saúde. A capital, Manila, é a zona mais afetada e o hospital principal, o San Lazaro, está repleto de pacientes com sarampo e espera receber ainda mais.

Muitos dos doentes pertencem a famílias pobres que dependem dos serviços públicos para receber cuidados e remédios que o governo tem dificuldade em fornecer. O surto de sarampo é uma consequência da falta de imunização infantil nos últimos anos, uma vez que cerca de 2,5 milhões de crianças filipinas com menos de 5 anos de idade não foram vacinadas, segundo afirmou Lotta Sylwander, representante da UNICEF nas Filipinas, citado pelo The Guardian.

As autoridades de saúde, pedem aos pais que vacinem os seus filhos, visto que a grande maioria das mortes são de crianças que não foram vacinadas (79%, segundo dados do Gabinete de Epidemologia das Filipas), devido ao medo por parte dos pais de consequências negativas das mesmas.

Segundo dados das autoridades de saúde, as taxas de vacinação caíram de 85% para 60% e em algumas comunidades chegaram a descer até aos 30%.

Apesar de o surto de sarampo estar a acontecer nas Filipinas, estes casos tem vindo a aumentar em todo o mundo. De acordo com a OMS, houve um aumento de 30% dos casos de sarampo em todo o mundo desde 2016, o que se deve a conspirações e desinformação sobre as consequências da vacina, particularmente na Europa e nos EUA.

Exclusivos