75 anos de prisão para jihadistas da 'Brigada Al Andalus' que atuavam em Madrid

Supremo de Espanha confirmou a pena dos nove membros da "Brigada Al Andalus"

O Supremo Tribunal de Espanha confirmou a pena de 75 anos e meio de prisão no total para nove membros da autodenominada Brigada Al Andalus, que em Madrid se dedicou à doutrinação e recrutamento de 'jihadistas', foi hoje divulgado.

O tribunal rejeitou assim os recursos dos nove condenados e ratificou a decisão da Audiência Nacional de 28 de setembro de 2016.

A rede, que terá funcionado entre janeiro de 2011 e junho de 2014, era dirigida pelo antigo preso de Guantanamo Lahcen Ikassrien, ao qual corresponde a pena maior, de 11 anos e meio de prisão, como dirigente de organização terrorista.

Os restantes oito acusados viram confirmadas as suas penas de oito anos de prisão cada por terem integrado uma organização terrorista.

Os doutrinados deviam ser enviados para a Síria para realizar atos terroristas.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG