Governo do Sri Lanka admite que existam pelo menos 27 estrangeiros entre as vítimas

Oito explosões no Sri Lanka fizeram mais de 200 mortos, entre os quais um português.

O Ministério dos Negócios Estrangeiros do Sri Lanka admite que pode haver, pelo menos, 27 estrangeiros entre as 207 vítimas mortais dos atentados deste domingo, embora só tenham sido confirmadas cinco até ao momento.

O secretário dos Negócios Estrangeiros do Sri Lanka, Ravinatha Aryasinha, informou numa conferência de imprensa, em Colombo, que 27 cadáveres parecem pertencer a estrangeiros, embora só tenham confirmado ainda a identidade de cinco destas vítimas.

Desconhece-se o paradeiro de outros cinco estrangeiros, acrescentou sem dar pormenores sobre as nacionalidades.

Até agora o número de mortos resultantes das oito explosões ocorridas nesta manhã no Sri Lanka ascende a 207, enquanto outras 450 pessoas ficaram feridas, afirmou o porta-voz da polícia do Sri Lanka, Ruwan Gunasekara, numa conferência de imprensa.

As primeiras seis explosões aconteceram, quase em simultâneo, pelas 08.45 locais (02.30 GMT) em três hotéis de luxo e uma igreja na capital, Colombo, outra em Katana, no oeste do país, e outra ainda em Batticaloa, no lado leste.

Horas depois, uma sétima detonação num pequeno hotel situado a cem metros do jardim zoológico de Dehiwala, dez quilómetros a sul da capital, e a última no complexo residencial de Dematagoda, também em Colombo.

As autoridades locais já anunciaram sete detenções.

Exclusivos