Sri Lanka. Radicais islâmicos sob suspeita das autoridades

Um grupo recém-formado de extremistas islâmicos estaria há vários dias sob vigilância das autoridades cingalesas, que temiam atentados suicidas contra igrejas. O Conselho Muçulmano do país já condenou os ataques aos "irmãos cristãos".

De acordo com a Agência France-Presse (AFP), a polícia do Sri Lanka tem estado em alerta nos últimos dias, temendo que um recém-criado grupo radical islâmico - National Thowheed Jamath (NTJ) - executasse atentados suicidas contra igrejas católicas.

As autoridades anunciaram já a detenção de sete suspeitos mas ainda não foi confirmada a sua ligação a este grupo. O governo apenas confirma que são extremistas religiosos, para evitar que haja reações contra a comunidade em causa.

Entretanto, o Conselho Muçulmano do Sri Lanka - uma comunidade que representa menos de 10% da população, que tem uma maioria budista, com cerca de 70% - já veio condenar os atentados "contra os irmãos e irmãs cristãos na celebração da Páscoa", bem como "nos hotéis em Colombo". O Conselho assinala o seu pesar pela perda de "vidas inocentes devido a elementos extremistas e violentos que querem criar divisões entre religiões e grupos étnicos para marcar a sua agenda".

De acordo ainda com a AFP, citada pela revista Time, em janeiro passado, a polícia daquele país apreendeu explosivos e detonadores e deteve quatro elementos do NTJ. De acordo com a Reuters, vários muçulmanos do Sri Lanka juntaram-se ao ISIS, na Síria.

Os ataques deste domingo mataram mais de 200 pessoas e fizeram mais de meio milhar de feridos. Entre eles estão cerca de três dezenas de estrangeiros, um dos quais português.

O Sri Lanka declarou estado de emergência em 2018, depois de multidões de budistas terem atacado mesquitas, casas e propriedades muçulmanas na cidade de Kandy. Estes ataques terão sido a retaliação a um espancamento de um budista por um muçulmano.

Durante 30 anos, o Sri Lanka foi palco de uma guerra civil sangrenta, envolvendo a maioria budista contra os tamiles do norte, que reivindicavam um Estado independente - morreram mais de 70 mil pessoas. Em 2009, a vitória do governo contra os rebeldes, conhecidos como Tigres Tamil, criou a expectativa de paz no país, mas os ódios religiosos e étnicos parecem continuar a marcar aquele território.

A Igreja Católica Romana tem origem na chegada dos portugueses àquele país, em 1505, na altura designado Taprobana. Em 2015, o Papa Francisco canonizou o santo José Vaz, missionário no século XVI. Os católicos representam cerca de 7% da população de 21 milhões de habitantes.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.