EUA impõem sanções à Rússia pelo envenenamento de antigo espião

EUA associam-se aos seus aliados europeus nas represálias pelo envenenamento de Sergei Skripal no Reino Unido. Os mercados financeiros russos estavam esta quinta-feira em baixa e o rublo caiu para níveis mínimos de dois anos face ao dólar

Os Estados Unidos vão impor sanções à Rússia pelo uso de um agente neurotóxico (Novichok) na tentativa de homicídio por envenenamento de um antigo espião russo e da sua filha no Reino Unido, noticiou a Associated Press (AP).

O Departamento de Estado norte-americano indicou esta quarta-feira que as sanções vão ser impostas à Rússia pelo uso de uma arma química, violando a lei internacional.

O antigo espião russo Sergei Skripal e a sua filha Yulia foram envenenados em março com Novichok, um agente neurotóxico de uso militar, em Salisbury, no Reino Unido.

A Rússia foi acusada pelo Reino Unido de ser responsável pelo ataque, algo que o Kremlin nega veementemente.

Desde março, dois outros cidadãos britânicos sem ligações à Rússia foram envenenados com a mesma substância.

Depois de decorrido um período de 15 dias para notificação, as sanções vão ter efeito por volta de 22 de agosto, de acordo com um comunicado do Departamento de Estado citado pela AP.

O envenenamento dos Skripal causou uma crise diplomática entre Londres e Moscovo, pois o governo britânico decidiu expulsar vários diplomatas russos, medida seguida pela Rússia, que exigiu a saída de diplomatas britânicos do país.

Além disso, vários países ocidentais expressaram solidariedade com o Reino Unido e tomaram medidas semelhantes.

O Reino Unido acusou diretamente a Rússia do envenenamento dos Skripal, depois de uma investigação que identificou o Novichok como uma substância de fabrico militar russo.

Os mercados financeiros russos estavam esta quinta-feira em baixa e o rublo caiu para níveis mínimos de dois anos face ao dólar, depois dos Estados Unidos terem imposto novas sanções contra a Rússia.

Depois de uma primeira derrocada na quarta-feira provocada por rumores de novas sanções, o anúncio de Washington de medidas punitivas associadas ao envenenamento com o agente 'Novitchok" no Reino Unido provocou uma forte baixa dos dois principais índices da Bolsa de Moscovo.

Assim, depois de uma primeira queda na quarta-feira, o dólar ultrapassou hoje 66 rublos pela primeira vez desde novembro de 2016 e o euro passou a barreira dos 77 rublos pela primeira vez desde abril deste ano.

Em relação aos principais índices da bolsa russa, cerca das 8:45 em Lisboa, o RTS caia 3,20% e o Moex recuava 1,16% devido principalmente à queda, de 10,59%, da companhia aérea semipública Aeroflot, que a administração Trump deverá proibir de voar para os Estados Unidos, segundo os media norte-americanos.

Os bancos também estavam em baixa, designadamente o semipúblico Sberbank, que perdia 4,72%.

Exclusivos

Premium

Rogério Casanova

Arquitectura fundida

Uma consequência inevitável da longevidade enquanto figura pública é a promoção automática a um escalão superior de figura pública: caso se aguentem algumas décadas em funções, deixam de ser tratadas como as outras figuras públicas e passam a ser tratadas como encarnações seculares de sábios religiosos - aqueles que costumavam ficar quinze anos seguidos sentados em posição de lótus a alimentar-se exclusivamente de bambu antes de explicarem o mundo em parábolas. A figura pública pode não desejar essa promoção, e pode até nem detectar a sua chegada. Os sinais acumulam-se lentamente. De um momento para o outro, frases suas começam a ser citadas em memes inspiradores no Facebook; há presidentes a espetar-lhes condecorações no peito, recebe convites mensais para debates em que se tenciona "pensar o país". E um dia, subitamente, a figura pública dá por si sentada à frente de uma câmera de televisão, enquanto Fátima Campos Ferreira lhe pergunta coisas como "Considera-se uma pessoa de emoções?" ou "Acredita em Deus?".

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Ler e/ou escrever

Há muitos anos, recebi um original de ficção de uma autora estreante que pedia uma opinião absolutamente sincera sobre a sua obra. Designar por "obra" o que ainda não devia passar de um rascunho fez-me logo pensar em ego inflamado. Por isso decidi que, se a resposta fosse negativa, não entraria em detalhes, sob o risco de o castelo de cartas cair com demasiado estrondo. Comecei pela sinopse; mas, além de só prometer banalidades, tinha uma repetição escusada, uma imagem de gosto duvidoso, um parêntese que abria e não fechava e até um erro ortográfico que, mesmo com boa vontade, não podia ser gralha. O romance propriamente dito não era melhor, e recusei-o invocando a estrutura confusa, o final previsível, inconsistências várias e um certo desconhecimento da gramática.