Síria. Trump falou com Erdogan sobre retirada "lenta e altamente coordenada"

O presidente dos EUA disse ainda ter falado com o seu homólogo turco sobre o "aprofundar das relações comerciais".

O Presidente norte-americano, Donald Trump, disse este domingo ter falado com o homólogo turco, Recep Tayyip Erdogan, sobre uma retirada "lenta e altamente coordenada" das tropas norte-americanas na Síria.

"Acabo de ter uma longa e produtiva conversa telefónica" com Erdogan, escreveu Trump na rede social Twitter, acrescentando ter falado do grupo extremista Estado Islâmico, do envolvimento de ambos os países na Síria e "da lenta e altamente coordenada retirada de tropas dos Estados Unidos".

Trump disse ainda ter falado com Erdogan sobre o "aprofundar das relações comerciais".

O Presidente norte-americano anunciou na quarta-feira que ia ordenar a retirada dos cerca de 2.000 militares destacados no nordeste da Síria para apoio às milícias árabo-curdas que combatem o grupo extremista Estado Islâmico, que considera estar "em grande parte derrotado".

Essa saída deixa vulnerável a milícia curda YPG, que a Turquia ameaçar atacar por considerar os combatentes curdos "terroristas" com ligações ao Partido dos Trabalhadores do Curdistão (PKK), proibido na Turquia.

Após o anúncio da retirada, Erdogan prometeu adiar a ofensiva turca, mas a agência IHA noticiou este domingo que a Turquia está a concentrar tropas e equipamento perto de uma localidade do norte da Síria, Manbij, controlada por forças curdas.

A decisão de retirar as tropas suscitou preocupação entre os aliados europeus dos Estados Unidos e, internamente, levou à demissão do secretário da Defesa, Jim Mattis, e do representante norte-americano junto da coligação anti-'jihadista', Brett McGurk.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.