Singapura acaba com rankings escolares já no próximo ano letivo

O objetivo é combater a extrema pressão a que os estudantes estão sujeitos desde a infância. O país tem conquistado os valores mais altos do mundo em resultados académicos.

Singapura vai abolir os rankings escolares no próximo ano letivo. Os alunos deixarão também de saber em que lugar ficaram na avaliação. A medida histórica é ainda mais surpreendente tendo em conta que o sistema de educação do país é considerado um exemplo para o resto do mundo.

A medida tem como objetivo combater o elevado stresse que os pais colocam nos filhos desde o primeiro ano - aos fins de semana as crianças têm aulas de enriquecimento curricular para conseguirem ficar nos primeiros lugares da classe. Segundo o Ministro da Educação Ong Ye Kung, com a eliminação de notas pretende-se mostrar aos estudantes que "aprender não é uma competição", conta a imprensa internacional.

Os melhores alunos de Singapura nas áreas de Matemática, Ciência e Leitura, vão continuar a ter avaliações, mas estas irão limitar-se a "observações mínimas e máximas". Não haverá registo de notas nem comparação com outros colegas, e o Ministério da Educação vai também abolir o termo "aprovado" e "reprovado" nos resultados finais.

Os alunos do Ensino Básico também vão deixar de fazer testes. O ministério explicou que os professores poderão acompanhar o progresso dos alunos através de debates, trabalhos de casa e questionários.

Segundo o ministro da Educação, a caderneta escolar vai conter informações que irão permitir aos alunos julgarem o seu desempenho académico e avaliarem os seus pontos fortes e fracos.

Singapura ocupa o primeiro lugar no Programa Internacional de Avaliação de Estudantes (Pisa), da Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Económico (OCDE), principal referência internacional de qualidade da educação, aplicado a estudantes de 15 anos de 70 países.

Exclusivos