Senador atacado com ovos após culpar muçulmanos por ataque a mesquitas

Fraser Anning agrediu o adolescente de 17 anos após este o ter atingido. Momento foi captado e está a ser partilhado nas redes sociais

"A verdadeira causa do derramamento de sangue nas ruas da Nova Zelândia hoje é o programa de imigração que permitiu que os fanáticos muçulmanos migrassem para a Nova Zelândia". Foram estas palavras do senador australiano Fraser Anning, após o ataque terrorista em duas mesquitas neozelandesas - que provocou a morte a 49 pessoas - que causaram indignação no país de origem do terrorista.

Um adolescente de 17 anos foi mais longe na revolta e atirou um ovo à cabeça do senador: este reagiu agredindo-o duas vezes. com violência

O jovem de 17 anos foi ainda derrubado pelos apoiantes do senador - um deles fez-lhe uma chave ao pescoço, que durou algum tempo - e depois foi detido. Libertado no mesmo dia, ainda se desconhece se irá ser alvo de alguma acusação.

As imagens foram captadas pelos jornalistas presentes na conferência de imprensa onde ocorreu o incidente - Melbourne, na Austrália - e partilhadas nas redes sociais. Os internautas reagiram condenando a violência usada pelo senador e os seus apoiantes, apelidando-a de "completamente desproporcional".

A reação do senador ao ataque terrorista que matou 49 pessoas - homens, mulheres e crianças - e que geriu o protesto do adolescente.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.