Salvini quer fim das sanções da UE contra a Rússia "até ao final do ano"

"A Itália é o país europeu que mais sofreu com as sanções contra a Rússia", disse o ministro do Interior italiano, que assegurou "não excluir qualquer opção" para atingir os seus fins

O ministro do Interior italiano e líder da Liga (extrema-direita) afirmou hoje querer acabar com o regime de sanções imposto à Rússia "até ao final do ano" e não excluir "qualquer opção" para convencer os outros países europeus.

Matteo Salvini, que falava em Moscovo, disse pretender "convencer com boas maneiras e números" os seus parceiros europeus a acabarem com as sanções económicas em vigor desde que a Rússia anexou a Crimeia em 2014.

O também vice-primeiro-ministro de Itália não quis afirmar que poderá vetar um prolongamento das sanções, mas assegurou "não excluir qualquer opção" para atingir os seus fins.

"A Itália é o país europeu que mais sofreu com as sanções contra a Rússia", adiantou, afirmando querer encontrar novas possibilidades de cooperação económica entre as pequenas e médias empresas dos dois países.

"É absolutamente legítimo que a Rússia se sente na mesa dos grandes"

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, disse em junho que o seu país era favorável à "revisão" das sanções económicas impostas à Rússia.

Há vários meses que a Itália tenta conseguir da União Europeia se não um levantamento total das sanções pelo menos um aligeiramento.

O primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, vai à Rússia "na segunda metade de outubro" para se encontrar com Vladimir Putin

"É absolutamente legítimo que a Rússia se sente na mesa dos grandes", declarou Salvini sobre a reintegração do país no G7, congratulando-se com a cimeira entre os presidentes russo, Vladimir Putin, e norte-americano, Donald Trump, esta segunda-feira em Helsínquia.

Matteo Salvini, que esteve na Rússia antes de integrar o governo italiano e que já expressou simpatia pelo país e o seu presidente por diversas vezes, disse que Giuseppe Conte se deslocará ao país "na segunda metade de outubro" para se encontrar com Vladimir Putin.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG