Resolvido mistério do navio fantasma encalhado na Birmânia

Navio com 177 metros de comprimento foi encontrado, sem tripulação nem carga, encalhado em Thongwa, Myanmar (ex-Birmânia).

As autoridades birmanesas conseguiram resolver finalmente o mistério do porta-contentores Sam Ratulangi PB1600, quatro dias depois de este ter sido avistado pela primeira vez por pescadores ao largo de Thama Seitta e de ter posteriormente encalhado em Thongwa.

O navio, com 177 metros de comprimento e 26 510 toneladas de peso morto, tinha bandeira da Indonésia. Foi encontrado sem tripulantes ou carga. Como provam inclusivamente fotografias divulgadas pela polícia birmanesa na sua página de Facebook. Construído em 2001, o seu último registo datava de 2009, no Mar da China e, desde então, é como se tivesse desaparecido do mapa.

O que aconteceu foi que, quando estava a ser rebocado para o Bangladesh, onde iria ser desmantelado em estaleiro, a tripulação decidiu soltar o cabo que rebocava a embarcação e abandoná-la à deriva por causa do mau tempo.

Muito se especulou sobre o que se tinha passado, de facto, com o Sam Ratulangi (navio com o nome de um herói nacional da Indonésia).

Uma das teorias que tinham sido avançadas sobre este navio fantasma que encalhou na costa birmanesa tinha sido precisamente a de que o cabo de reboque se partira devido ao mau estado do mar.

A zona onde o porta-contentores foi encontrado tinha sido fustigada pelo mau tempo, que provocou graves inundações em Myanmar (ex-Birmânia).

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.