Refugiados no Brasil têm grau de escolaridade acima da média do país

Levantamento inédito feito por agência da ONU revela que 34% concluíram ensino superior

Os refugiados que vivem no Brasil têm um grau de escolaridade acima da média da população brasileira, mas poucos conseguem validar os seus diplomas no país e trabalhar na sua área de especialidade. Além disso, são mais afetados pelo desemprego.

É o que revela uma pesquisa inédita sobre o perfil socioeconómico dessa população lançada nesta quinta-feira (30 de maio) pela agência da ONU para refugiados (Acnur) junto de investigadores de oito universidades do país integrantes da Cátedra Sérgio Vieira de Mello, que incentiva estudos sobre deslocamentos forçados.

Refugiados são migrantes que saíram de seus países fugindo de conflitos armados ou perseguição devido a religião, raça ou opinião política, entre outros fatores. No Brasil, eles passam por um processo que costuma durar cerca de dois anos, até terem o seu pedido avaliado e reconhecido ou não pelo Ministério da Justiça.

Para a pesquisa, foram feitas entrevistas domiciliares com 487 homens e mulheres em 14 cidades de oito unidades da Federação (São Paulo, Rio de Janeiro, Paraná, Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Minas Gerais, Amazonas e Distrito Federal), que acolhem 94% dos refugiados sob a proteção do governo.

A amostra é representativa do total de refugiados no país. São cerca de 5 mil os que continuam aqui, de um total de 10.522 que ganharam o estatuto de refugiado até o fim de 2018.

Só foram incluídas pessoas já reconhecidas como refugiadas, o que deixou de fora os venezuelanos - a maioria ainda não teve o seu pedido analisado. Mais de 70% dos entrevistados vieram de Síria, República Democrática do Congo, Angola e Colômbia.

Os resultados mostram que 34,4% deles concluíram o ensino superior, enquanto 15,7% da população brasileira atingiu o mesmo nível de ensino, segundo o IBGE. Além disso, só 3,3% dos refugiados são analfabetos ou não completaram o ensino básico, comparados com 41% dos brasileiros.

Porém, apenas 31,8% conseguem utilizar suas habilidades profissionais nos seus atuais trabalhos. Além disso, apesar de a maioria estar trabalhando, a taxa de desemprego entre eles (19,5%) é maior do que entre a população geral.

Um dos motivos pode ser a dificuldade para revalidar os seus diplomas no Brasil -apenas 14 entrevistados afirmaram ter conseguido isso.

"A pesquisa mostra que é uma população com um potencial enorme de contribuir com as comunidades de acolhida", diz Paulo Sérgio Almeida, oficial de meios de vida do Acnur.

"Além disso, muitos falam outro idioma além do português, o que pode ser uma vantagem. Eles também têm alta propensão ao empreendedorismo."

Entre as dificuldades, ele cita a demora para formar redes de contato. "Eles estão começando do zero, e muitas vezes o acesso ao mercado de trabalho é pelo contato com conhecidos", diz, acrescentando que estão surgindo projetos de incentivo à contratação desses imigrantes pelo setor privado.

Os refugiados têm direito à carteira de trabalho (84% têm o documento), e mais de 90% falam português. O estudo também avaliou a integração ao novo país. Mais de três quartos disseram participar de atividades com cidadãos locais. "Boa parte tem amigos brasileiros e uma parcela constitui família aqui", diz Almeida.

A conclusão da pesquisa é que o Brasil é "uma opção difícil, porém definitiva" para os migrantes, que "acreditam na sua capacidade de adaptação e ascensão social no país". Segundo os dados, 85% querem permanecer no Brasil, e 57% desejam trazer seus familiares.

"Apesar das dificuldades, mais de 80% deles disseram que fariam tudo de novo", afirma o investigador.

* Jornalista da Folha de São Paulo

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.