Putin ordena abertura de corredor humanitário na Síria

Presidente russo ordenou ainda cessar-fogo diário de cinco horas na região de Ghouta, o último bastião da oposição a Bashar al-Assad

O presidente russo, Vladimir Putin, ordenou hoje a abertura de um corredor humanitário em Ghouta Oriental, na Síria, e a implementação de um cessar-fogo diário de cinco horas, na terça-feira, para permitir a saída de civis daquele enclave rebelde.

O cessar-fogo começa às 9:00 e termina às 14:00 locais, indicou o ministro da Defesa russo, Sergei Shoigu.

Os detalhes acerca do local onde será aberto este corredor, por onde poderá passar auxílio humanitário, serão anunciados em breve.

França e Alemanha tinham pedido ontem a Moscovo - o mais forte aliado do presidente sírio Bashar al-Assad - para exercer uma "pressão máxima" sobre a Síria com vista à aplicação "imediata" da resolução aprovada no sábado pela ONU que prevê um cessar-fogo humanitário no território sírio.

Numa conversa telefónica mantida com o Presidente russo, a chanceler alemã, Angela Merkel, e o chefe de Estado francês, Emmanuel Macron, sublinharam que será "crucial que a resolução [do Conselho de Segurança da ONU] seja aplicada rapidamente e integralmente", indicou uma fonte oficial alemã, num comunicado.

Por seu lado, Vladimir Putin informou os seus interlocutores das "medidas práticas tomadas pelo lado russo para retirar civis, para transportar cargas humanitárias e para prestar assistência médica à população síria afetada", de acordo com um comunicado do Kremlin (Presidência russa).

"Foi dada uma especial atenção ao facto de que a trégua não se aplicar às operações contra os grupos terroristas", frisou Moscovo.

A trégua humanitária aprovada no sábado prevê incidir, entre outras áreas do território sírio, em Ghouta Oriental, o último grande bastião da oposição ao Presidente sírio, Bashar al-Assad, perto da capital síria de Damasco.

Já hoje, União Europeia e ONU apelaram à aplicação imediata da trégua.

Desde domingo passado, Ghouta Oriental tem sido alvo de intensos bombardeamentos por parte das forças governamentais sírias. Mais de 500 civis, incluindo uma centena de crianças, morreram durante os sete dias de consecutivos ataques.

Organizações médicas e de defesa dos direitos humanos dão conta de que os ataques na Síria, nomeadamente em Ghouta Oriental, continuam, ou seja, o cessar fogo aprovado sábado não entrou efetivamente em vigor.

Desde o início dos ataques de Damasco contra Ghouta Oriental, a 18 de fevereiro, morreram pelo menos 521 civis, segundo os números divulgados pelo observatório sírio dos direitos humanos.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.