Putin acredita que Trump quer melhorar relações com Rússia

Presidente russo recebe secretário de Estado norte-americano, Mike Pompeo.

O presidente russo disse ao secretário de Estado dos EUA, Mike Pompeo, sentir que o presidente dos EUA, Donald Trump, quis genuinamente corrigir as relações entre a Rússia e os Estados Unidos.

Em declarações prévias à reunião bilateral, em Sochi, Vladimir Putin também reafirmou que a Rússia nunca interferiu nas eleições norte-americanas. Pompeo havia dito anteriormente ao ministro dos Negócios Estrangeiros russo, Sergei Lavrov, que Washington não toleraria qualquer interferência de Moscovo nas eleições presidenciais americanas de 2020, alegando que tal medida prejudicaria seriamente as relações já de si precárias.

Na reunião com o homólogo russo, Pompeo pediu a Moscovo para deixar de apoiar o regime de Nicolás Maduro, uma proposta que foi rejeitada de imediato por Lavrov. "Não se pode instaurar uma democracia pela força", respondeu.

A primeira visita de Pompeo à Rússia surge numa altura em que Estados Unidos e Irão estão numa escalada de tensão. "Vamos tentar esclarecer como é que os norte-americanos pretendem sair desta crise criada pelas suas ações unilaterais", dissera Lavrov na véspera do encontro, a propósito da retirada do EUA do acordo internacional sobre o programa nuclear iraniano.

Esse é outro dos temas na agenda, além da mencionada Venezuela, Síria, o desarmamento nuclear ou a desnuclearização da península coreana. "As questões mais prementes serão discutidas", antecipou o porta-voz do Kremlin, Dmitri Peskov.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.