Pulseiras que localizam estudantes na China: "Isto é o Black Mirror na vida real?"

Uma escola no sul da China decidiu comprar pulseiras para avaliar a performance dos alunos nas aulas, a sua atividade física e localizá-los.

A escolha de comprar "pulseiras inteligentes" que localizam os alunos, por parte de uma escola na China, tem gerado polémica e recebido diversas críticas acusando a escola de invadir a privacidade dos jovens. A escola Guangdong Guangya em Guangzhou comprou 3.500 pulseiras, um investimento perto dos 6 milhões de euros, em setembro.

As pulseiras, além de localizar os alunos, registam a sua frequência cardíaca e a sua atividade física e até contabilizam o número de vezes que os alunos levantam o braço durante a aula, segundo o The Guardian . A escola afirma que o seu objetivo é apenas ajudar os alunos ao monitorizar a sua condição física e perceber qual é o seu nível de atenção nas aulas, bem como facilitar o pagamento na cantina e a aquisição de livros da biblioteca.

Desde o anúncio por parte da escola, na passada terça-feira, várias críticas foram recebidas. "Qual é a diferença entre isto e o colocar localizadores nos prisioneiros ou em cães? Os estudantes não são prisioneiros" e "Este grupo de pessoas que trabalham na educação trabalhariam melhor como guardas de campo de concentração" são alguns dos comentários feitos à iniciativa da escola no Weibo, a rede social chinesa.

"Isto é o Black Mirror na vida real?" escreveu um utilizador, referindo-se à serie britânica que aborda o controlo da tecnologia sobre a população.

As reações negativas por parte dos pais e estudantes fizeram a escola partilhar um comunicado em que declara ainda estar a pensar na melhor forma de utilizar as pulseiras. "Ouviremos as opiniões dos alunos, dos pais, dos professores e dos especialistas ", informou a escola na sua conta Weibo.

Um ex-aluno da escola, que preferiu manter-se no anonimato comentou o assunto ao South China Morning Post e confessou que a "pressa em construir campus inteligentes" tem posto em causa a privacidade dos alunos, visto Guangya não ser a primeira escola a querer aplicar um sistema de localização. O exemplo dado: a escola Hangzhou, que além de utilizar o aparelho desde o ano passado, instalou câmaras de vigilância para analisar as expressões faciais dos estudantes enquanto estão na aula para estudar o seu comportamento.

Também na província de Guizhou, cerca de 11 escolas introduziram uniformes com um chip de localização, para perceber a que horas os estudantes chegam à escola e a que horas saem. Se os alunos faltarem à aula, os pais e os professores são imediatamente notificados da ausência, segundo o Independent.

Estas medidas têm aumentado o receio por parte da população chinesa, que tem sido submetidas a várias medidas de controlo por parte do governo. Na segunda-feira, um pesquisador de cibersegurança da organização GDI, Victor Gevers afirmou ter encontrado uma base de dados com 364 milhões de perfil online como conversas, arquivos e números de identificação, que tem sido acompanhadas e recuperadas diariamente, segundo o Financial Times.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.