Procurador recorre da sentença de portuguesa que escondeu a filha na mala do carro

Rosa Cruz tinha sido condenada a cinco anos de prisão, com três de pena suspensa, e o procurador-geral de Limoges apresentou recurso e a mulher voltará a ser julgada

O procurador-geral de Limoges, França, recorreu esta quinta-feira da sentença de cinco anos de prisão, com três anos de pena suspensa, aplicados a Rosa Cruz, a portuguesa que escondeu a filha na mala do carro e lhe causou danos irreversíveis de desenvolvimento.

A sentença foi proferida na semana passada num tribunal em Correzes e o Ministério Público tinha até dia 26 para recorrer. A sentença pedida inicialmente pelo Ministério Público tinha sido de oito anos, apesar de os crimes de Rosa Cruz terem pena máxima de 20 anos de prisão.

A informação do recurso foi avançada pela France Inter e o pedido deve ser formalizado nas próximas horas. Sendo assim, Rosa Cruz voltará a ser julgada, num processo que se prevê mais longo do que o que decorreu previamente, apenas com cinco dias de julgamento.

Serena, filha de Rosa Cruz, foi encontrada em 2013 dentro da mala de um carro quando tinha dois anos. A mãe escondeu a gravidez e a criança até esta ter sido descoberta pelo mecânico.

Rosa Cruz já mudou várias vezes a versão dos factos, mas acabou por pedir perdão à filha na semana passada. A menina, agora com sete anos, apresenta sinais de autismo profundo e défice mental de 80%.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG