"Princesa" do Dubai está desaparecida depois de fugir do país

A jovem, que diz ser filha do primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos e emir do Dubai, terá tido a ajuda de um ex-agente secreto francês e de uma finlandesa. Ninguém sabe do seu paradeiro

Identificou-se como sendo Latifa Mohamed al Maktum, uma das filhas do xeque Mohammed bin Rashid al-Maktoum, emir do Dubai e primeiro-ministro dos Emirados Árabes Unidos, e avisou que estava a fugir do seu país e do pai. Está desaparecida, juntamente com um ex-agente secreto francês e uma amiga finlandesa que, alegamente, a ajudaram no plano de fuga.

"Por favor, ajudem-nos. Estão homens lá fora. Oiço disparos e estou escondida com a minha amiga". Estas foram as últimas palavras da mulher que se identifica como princesa do Dubai que a advogada britânica Radha Stirling ouviu antes da chamada telefónica terminar. O apelo aconteceu no dia 4 de março.

De acordo com o El País , dias depois do telefonema, foi divulgado um vídeo no qual Latifa Mohamed al Maktum, de 33 anos, denuncia os supostos riscos que corre, o plano de fuga e o apelo para que as imagens sejam divulgadas caso deixe de dar notícias. "Este vídeo pode salvar a minha vida e se o estão a ver é sinal que estou morta ou numa situação muito difícil", disse.

Ao jornal espanhol, a advogada Radha Stirlng, fundadora e diretora da ONG Detained in Dubai, confirmou a identidade da mulher.

Ao longo de quase 40 minutos, a filha do emir do Dubai relata a primeira vez que tentou fugir do país, depois de a irmã fazer o mesmo, mas sem sucesso. Foi em 2002, quando tinha 16 anos. Acabou por ser apanhada. Conta que esteve presa durante três anos, período durante o qual foi torturada e até drogada. "Não sei o que o meu pai me pode fazer. Ele é pura maldade. É responsável pela morte de muitas pessoas. A sua imagem de homem de família é um mero exercício de relações públicas", afirma, referindo-se ao emir do Dubai, considerado pela revista Forbes como o quinto monarca mais rico do mundo.

Após estas graves acusações, Latifa Mohamed al Maktum desapareceu. Também não se sabe do paradeiro do ex-agente secreto francês e da amiga finlandesa que a terão ajudado a fugir do país.

Advogada britânica Stirling tem esperança que a divulgação do caso e a pressão internacional ajudem a encontrar Latifa Mohamed al Maktum

Radha Stirling conta ter recebido um pedido de ajuda de Jean-Pierre Hervé Jaubert, o ex-espião francês, que revelou estar a ajudar a princesa e uma amiga dela. Contou que os três estavam num iate com a bandeira dos EUA, a 90 quilómetros da costa indiana, e que pretendiam apanhar um avião para os Estados Unidos. A advogada conta, no entanto, que mais tarde recebeu o último telefonema da filha do xeque.

A ONG Detained in Dubai revelou depois que fontes dos serviços secretos indianos afirmaram que a rapariga estava viva e de volta ao Dubai. "Não temos mais informações sobre o navio e os seus ocupantes", assume Stirling, que disse estar a recorrer a todos os meios legais para ajudar as pessoas desaparecidas.

Stirling tem esperança que a divulgação do caso e a pressão internacional possam ser um aliado para ajudar a encontrar Latifa Mohamed al Maktum.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG