Presidente romeno pede que primeira-ministra se demita

Klaus Iohannis afirmou que a primeira-ministra Viorica Dancila não tem competências para ocupar este cargo

O Presidente da Roménia, Klaus Iohannis, pediu esta sexta-feira à primeira-ministra, Viorica Dancila, que se demita, afirmando que ela não tem competência para ocupar o cargo.

"A senhora Dancila não está à altura da função de primeira-ministra da Roménia e, por isso, o Governo torna-se uma fonte de vulnerabilidade para a Roménia. É por essa razão que peço publicamente a demissão da senhora Dancila", disse o Presidente numa curta declaração à imprensa.

Dancila, que em janeiro se tornou a primeira mulher a liderar um Governo romeno, apenas é responsável perante o parlamento, dominado pelo Partido Social-Democrata (PSD) no poder, única instituição com poder para decidir a sua demissão.

O Presidente, cujas relações com o Governo social-democrata são tensas, acusou a primeira-ministra de "preferir executar ordens do partido" e evocou um documento, adotado na semana passada pelo Governo, de avaliação da mudança da embaixada da Roménia em Israel de Telavive para Jerusalém.

Iohannis defende que uma tal mudança contraria o Direito Internacional, opondo-se à decisão e criticando o Governo por não o ter informado previamente.

Para o Presidente, a iniciativa do Governo é um "grande erro".

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.