Polícia que matou criança de 12 anos foi despedido, mas por outro motivo

Agente que matou Tamir Rice foi despedido

O agente da polícia de Cleveland, Estados Unidos, que baleou e matou uma criança de 12 anos foi despedido, mas não por circunstâncias relacionadas com este incidente. Timothy Loehmann, que a 22 de novembro de 2014 baleou Tamir Rice, um rapaz afro-americano que tinha uma arma de plástico, foi despedido devido a irregularidades na sua candidatura para o emprego, segundo a AP.

Tamir Rice estava a brincar num parque de diversões com uma arma de plástico na altura do incidente. A morte do rapaz criou uma onda de protestos no país, que só piorou quando foi divulgado o vídeo do momento em que Tamir é baleado, e depois quando foi anunciado que nem Loehmann nem o seu parceiro, Frank Garmback, seriam acusados pelo crime.

O vídeo que foi posto circular na internet após o incidente - disponível acima -mostra que Tamir foi baleado poucos segundos depois de a polícia ter chegado ao local. Foi revelado também na altura que pessoa que chamou a polícia disse claramente que a arma era "provavelmente falsa", segundo o New York Times.

Segundo a AP, o telefonista que recebeu a chamada para o 112 foi suspenso este ano por não ter dito aos polícias que a queixa recebida era sobre um homem estava a apontar uma arma falsa a outras pessoas.

Garmback, que conduzia o carro patrulha, foi suspenso durante 10 dias por ter parado a viatura demasiado perto da criança, avança a AP.

Nas redes sociais, o despedimento de Loehmann está a gerar revolta e vários utilizadores dizem que ele não foi punido o suficiente.

"O país em que vivemos: Timothy Loehmann é mais penalizado por mentir numa candidatura de emprego do que por matar Tamir Rice", escreveu um utilizador no Twitter.

"Três anos depois de matar Tamir Rice de 12 anos, o único castigo que recebe por este homicídio é perder o emprego", escreveu outro.

A morte de Tamir Rice ocorreu meses após um polícia ter morto a tiro o jovem negro desarmado Michael Brown, em agosto de 2014, e antes de uma série de mortes de homens negros, perpetuadas por polícias, que intensificaram a tensão racial no país.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG