Polícia dos EUA mata homem negro desarmado cuja carrinha se tinha avariado

No vídeo pode ver-se como Crutcher, de mãos ao alto, caminha na direção da sua carrinha, seguido pela agente

Uma polícia de Tulsa, Oklahoma (EUA), matou a tiro um homem negro desarmado cujo carro se tinha avariado numa estrada, num caso que as autoridades consideraram "muito preocupante".

As autoridades tornaram público na segunda-feira o vídeo do caso, ocorrido na passada sexta-feira, e que o chefe da polícia de Tulsa, Chuck Jordan, qualificou como "muito preocupante".

O morto, identificado como Terence Crutcher, de 40 anos, tinha ficado parado na estrada, depois de a sua carrinha ter avariado.

No vídeo pode ver-se como Crutcher, de mãos ao alto, caminha na direção da sua carrinha, seguido pela agente Betty Shelby, que lhe aponta uma arma. Outros agentes acorrem rapidamente ao local, empunhando também as suas armas.

Ao fim de alguns segundos, Crutcher baixa os braços para procurar algo no interior do veículo, através da janela do condutor, momento em que é atingido por pelo menos um tiro vindo de Shelby, caindo no chão. Crutcher acabou por morrer no hospital pouco tempo depois.

Crutcher foi uma das 782 pessoas mortas pela polícia este ano nos EUA

"Vamos fazer o que for correto, não vamos encobrir nada", declarou o chefe da polícia, indicando que o vídeo, a que assistiu com a família de Crutcher, "é muito difícil de ver".

Inicialmente, um porta-voz da polícia tinha indicado que Crutcher se recusou a obedecer a ordens dos agentes, incluindo manter os braços levantados.

Jordan pediu à comunidade para "manter a paz", depois de casos semelhantes no início do verão terem levado ao assassínio de cinco polícias em Dallas (Texas) e três em Baton Rouge (Luisiana).

Tanto Shelby como outro agente identificado como Tyler Turnbough foram suspensos das suas funções até ser concluída a investigação.

Segundo os números recolhidos num projeto especial do jornal Guardian, Crutcher foi uma das 782 pessoas mortas pela polícia este ano nos EUA - 193 eram negros, o que faz com que esta comunidade seja a mais afetada, em proporção, logo a seguir à dos nativos norte-americanos (4,83 e 4,59 por milhão de habitantes da mesma etnia).

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG