Peter Stilwell: "A Santa Sé não está na China para guerras"

Reitor da Universidade de São José, em Macau - a única universidade católica na China continental - e ex-vice reitor da Universidade Católica, o padre Peter Stilwell compreende o pragmatismo da Santa Sé e vê com bons olhos um acordo com o governo chinês.

O subsecretário das Relações da Santa Sé com os Estados, Antoine Camilleri, e o vice-ministro das Relações Exteriores da República Popular da China assinaram um acordo provisório sobre a nomeação de bispos. Segundo o documento, o Vaticano reconhece poderes de nomeação dos bispos à Associação Patriótica Católica Chinesa, dirigida pelo Estado chinês. A nomeação é posteriormente ratificada pelo Papa.

É um acordo histórico na medida em que as relações entre os dois Estados foram rompidas em 1949 com a ascensão do regime comunista liderado por Mao Tsé-Tung.

Peter Stilwell é desde 2012 reitor da Universidade de São José, em Macau - a única universidade católica na China continental.

Que comentário lhe suscita o acordo entre a Santa Sé e Pequim?

Este acordo está em discussão há bastante tempo. É um grande desafio, como foi sublinhado pelo bispo de Hong Kong, que é o de criar condições para as duas comunidades, a comunidade clandestina e da Igreja patriótica, como é chamada, viverem e trabalharem juntas. Têm sido anos de separação e não será fácil a relação entre as duas partes. É um desafio interno à Igreja que terá de ser levado por diante.

O cardeal Zen, bispo emérito de Hong Kong, afirmou que um acordo seria uma traição.

O cardeal Zen tem uma posição radical que tem publicitado frequentemente. Não é claramente a posição da Santa Sé, que tem uma posição pragmática, de quem não está aqui para guerras, está aqui para trabalhar para as pessoas. E as pessoas em causa querem batismo, a catequese, os casamentos, querem organizar a sua vida comunitária e viver a sua fé. Portanto, posições superestruturais, como se fosse uma guerra entre instituições, têm os seus adeptos mas não são práticas, não têm a ver com as pessoas no terreno. Há que abrir espaço para que as duas comunidades se possam encontrar. É um trabalho de longo prazo, que se vai fazendo. Será positivo para a Igreja na China se, decorrente do acordo, for possível que os bispos se possam deslocar para os encontros internacionais, em que bispos de todo o mundo se encontram e trocam impressões. E será positivo até mesmo para a China em geral.

Que consequências podem trazer este acordo para a universidade?

Também temos interesse em que haja um bom entendimento entre a Santa Sé e Pequim porque temos uma situação que se arrasta há algum tempo. Somos a única universidade em Macau que não pode recrutar alunos da China continental. Vamos ver até que ponto este entendimento não redunda numa possibilidade de recrutar alunos.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG