Percebe os programas para passageiros frequentes? O governo dos EUA também não

Fórmula que avalia equivalência entre milhas e bilhetes-prémio deve ser mais transparente, diz Departamento dos Transportes dos Estados Unidos

Programas de milhas para passageiros frequentes de difícil e enganosa compreensão puseram em alerta o Departamento dos Transportes norte-americano, que exige agora maior controlo sobre a transparência dessas ofertas concedidas pelas companhias de aviação.

Numa carta enviada ao Gabinete do Inspetor Geral responsável por essa fiscalização, o Departamento revela que "não está confiante que o processo [de troca de milhas por passagens aéreas] possa ser sumarizado para uso eficaz dos consumidores", já que as transportadoras aéreas recorrem "a algoritmos complexos que têm em conta numerosas variáveis dinâmicas."

No centro da discussão que procura apurar se estão a ser usadas "práticas enganadoras ou injustas" está a fórmula que as companhias aéreas utilizam para determinar quantas milhas equivalem a um bilhete "gratuito" e quantas são acumuladas a cada viagem.

O método mais comum aproxima-se daquele usado para prever quantas pessoas estarão a bordo numa certa data e assim controlar os preços associados a cada lugar, isto é, tal como voar no verão é mais caro, conseguir um bilhete-prémio nesta época do ano implicará gastar mais milhas.

Várias transportadoras estão além disto a recorrer a programas para passageiros frequentes que premeiam não a distância das viagens, mas o valor investido em cada uma dessas deslocações. Passageiros que frequentemente voam longas distâncias, mas que estão menos disponíveis para pagar tarifas mais elevadas acumulam, assim, menos milhas do que aqueles que compram produtos mais caros, mesmo que em rotas mais curtas.

Em Portugal, o programa Tap Victoria permite aos seus consumidores a acumulação de milhas consoante a distância voada, mas também de acordo com o tipo de produto associado aos seus bilhetes (um bilhete discount deixa acumular 10 por cento das milhas voadas enquanto que um bilhete em executiva deixa acumular 200 por cento das milhas voadas.)

O Gabinete do Inspetor Geral dos Estados Unidos revela que no inquérito realizado às políticas da Virgin America, Delta Air Lines e American Airlines não foram encontrados problemas relativos à transparência dos seus programas para passageiros frequentes, adianta a Quartz.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG