Desmoronamento na bolsa de Jacarta provoca 72 feridos

O desmoronamento do pavimento do primeiro piso do edifício da bolsa de Jacarta, que veio a tombar sobre o piso de entrada, causou ferimentos em, pelo menos, 72 pessoas, ficando algumas delas em estado grave.

Uma porta-voz de um hospital em Jacarta disse que a gravidade dos ferimentos sofridos por 72 pessoas ainda estava a ser avaliada, mas outras fontes, citadas pelas agências internacionais, indicavam que alguns dos feridos apresentavam escoriações graves.

Imagens da MetroTV mostravam a entrada da bolsa cheia de destroços e pessoas a saírem com ajuda do edifício.

Um porta-voz da polícia da capital indonésia Argo Yuwono afirmou que o edifício estava a ser evacuado, acrescentando que a causa do acidente ainda não é conhecida.

Setyo Wasisto, porta-voz da polícia nacional, disse que a estrutura era parte do primeiro andar da torre número dois do complexo da bolsa. O mesmo porta-voz indicou estar-se perante um acidente, nada indicando tratar-se de uma explosão acidental ou até de um ataque terrorista.

O normal funcionamento das operações não foi afectada, disse fonte da bolsa citada pela BBC.

Jacarta já foi no passado alvo de vários atentados terroristas, visando nomeadamente locais, como hotéis. Mas a bolsa da capital indonésia também foi alvo de um ataque, em setembro de 2000, três dias após o 11 de setembro, reivindicado pela Jemaah Islamamiyah, ligada à Al-Qaeda.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.