Parlamento aprova nova lei do trabalho, após onda de protestos

O projeto de lei foi aprovado sem votação no parlamento

O polémico projeto de lei sobre a reforma laboral francês foi hoje automaticamente aprovado, depois de o Governo do Presidente, François Hollande, ter acionado um mecanismo constitucional, que evita a votação no parlamento.

"Por não ter sido apresentada nenhuma moção de censura (...) o projeto de lei é adotado em leitura definitiva", anunciou o presidente da Assembleia Nacional, Claude Bartolone.

Perante a falta de maioria absoluta ente os deputados para conseguir a aprovação do texto, o primeiro-ministro, Manuel Valls, recorreu quarta-feira, pela terceira vez, ao artigo 49.3 da Constituição que permite que não exista votação.

O artigo abre a porta a apresentação de uma moção de censura, mas os deputados que se opõem à reforma laboral não a apresentaram.

A nova lei do trabalho francesa provocou protestos, manifestações e greves.

Exclusivos

Premium

Contramão na autoestrada

Concessionárias querem mais formação para condutores idosos

Os episódios de condução em sentido contrário nas autoestradas são uma realidade recorrente e preocupante. A maioria envolve pessoas idosas. O tema é sensível. Soluções mais radicais, como uma idade para deixar de conduzir, avaliação médica em centros específicos, não são consensuais. As concessionárias das autoestradas defendem "mais formação" para os condutores acima dos 70 anos.