Papa critica tentativas de aproveitamento político com futuras vacinas

O Papa Francisco condenou nesta quarta-feira quem se quer apropriar de futuras vacinas contra a covid-19 e tentativas de aproveitamento político e económico da pandemia, apelando aos políticos e às sociedades para defenderem o bem comum.

Em declarações na audiência geral no interior do palácio papal - e não na Praça de São Pedro ou na Sala Paulo VI, como era habitual antes da pandemia -, o líder da Igreja Católica alertou para os riscos de uma "cultura do egoísmo, da indiferença e do descartável", defendendo uma resposta assente em valores como "criatividade, confiança e solidariedade" contra o SARS-CoV-2, o novo coronavírus que provoca a doença covid-19.

"Infelizmente, estamos a assistir ao aparecimento de interesses partidários. Há quem deseje apropriar-se de possíveis soluções, como no caso das vacinas. Alguns aproveitam a situação para fomentar divisões, para procurar vantagens económicas ou políticas, gerando ou aumentando conflitos. Outros simplesmente não se importam com o sofrimento dos outros, caminham sobre ele e seguem o seu próprio caminho", afirmou, enfatizando a dimensão da "crise social e humana" provocada pelo novo coronavírus.

Sublinhando que o "vírus não conhece barreiras, fronteiras ou distinções culturais e políticas", o Papa defendeu a importância da construção de uma "civilização do amor" que inclua os mais vulneráveis e a esperança em soluções políticas, apesar de reconhecer que, "muitas vezes, a política não goza de uma boa reputação" social.

"É necessário ter uma boa política, que coloca a pessoa humana e o bem comum no centro", referiu, acrescentando: "A crise que vivemos devido à pandemia atinge toda a gente; podemos sair dela melhor se todos juntos procurarmos o bem comum. Se não, sairemos pior."

Francisco salientou ainda que "o bem comum requer a participação de todos" e que se cada indivíduo "fizer a sua parte", sem deixar ninguém para trás, será possível "regenerar boas relações a nível comunitário, nacional e internacional e também em harmonia com o ambiente".

A pandemia de covid-19 já provocou pelo menos 893 524 mortos e infetou mais de 27,3 milhões de pessoas em 196 países e territórios, segundo um balanço feito pela agência francesa AFP.

Em Portugal, morreram 1846 pessoas das 60 895 confirmadas como infetadas, de acordo com o boletim mais recente da Direção-Geral da Saúde.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG