O mérito internacional da Língua Portuguesa

Opinião de Mohamed Chichah, presidente da Associação da Comunidade Marroquina em Portugal, que fala um português fluente.

Agora e, pela primeira vez, um ano depois de ter sido considerado o «Dia Mundial da Língua Portuguesa», deu-se a comemoração tão aguardada do dia 5 de Maio, não apenas pelo espaço da lusofonia mas também pelo mundo falante da língua portuguesa que continua ao longo desta semana a falar do que culturalmente é um reconhecimento internacional de que a língua portuguesa tem um papel de relevo pelo mundo fora, e que cada vez mais, uma realidade reforçada, uma língua muito prestigiada com diferentes valores ao longo da história de Portugal, nomeadamente desde o tempo dos descobrimentos, por estar associada ao conhecimento científico, à descoberta de outros horizontes, mas sobretudo a outras civilizações como a civilização árabo-islâmica que, nessa altura, era de pouco conhecidas dos europeus.

A língua portuguesa reflete, em muitos sentidos, o espírito aglutinador de seus falantes. Por causa da presença árabo-islâmica na Península Ibérica, região da Europa onde se localiza Portugal, e devido à presença portuguesa em diferentes regiões do continente Africano, na América do Sul, e no continente Asiático, o idioma que afirmou, durante esse período da história de Portugal, o seu contacto com os falares de diferentes regiões do mundo acabando por ficar mais enriquecido com inúmeras palavras oriundas do árabe, uma herança patrimonial espalhada pelos diferentes cantos do mundo, dentro e fora, a testemunhar a prestigiada história portuguesa e a grandeza do povo português.

Embora tenhamos assistido nos últimos anos a muitas iniciativas oficiais e privadas de relevo que tiveram como objetivo preservar vi essa riqueza e contribuir para a expansão e consolidação da língua e cultura portuguesa através de reforço de mecanismo adequados no seio da CPLP, de outras organizações internacionais e instituições culturais interligadas, e de celebração de acordos de intercâmbio cultural e do ensino de língua portuguesa como disciplina curricular com vários países não falantes e parceiros de Portugal, a língua portuguesa, atendendo à dimensão internacional e ao estatuto que lhe foi concebida como uma das línguas mais falantes neste novo milénio, pode ter um papel transversal nos domínios económico e social, através de atribuição de atenção e de mais oportunidades de envolvimento das comunidades estrangeiras residentes em Portugal e das comunidades portuguesas no estrangeiros, apostando nelas como um dos veículos motores de transmissão, de intercâmbio cultural, de expansão da língua e cultura portuguesa e de estimulo para o desenvolvimento económico. Neste caso podemos citar como exemplo, as excelentes relações entre Portugal e Marrocos e a necessidade de olhar para o papel contributivo que tanto a comunidade marroquina em Portugal como a comunidade Portuguesa em Marrocos, podem trazer e desenvolver em conjunto através de diversas formas de cooperação, nomeadamente a diplomacia económica em que a língua é motor, e em pareceria com instituições estatais e privadas nos dois países, para o estreitamento das relações bilaterais e o desenvolvimento de tecido económico nos dois países, sobretudo que o tecido da comunidade marroquina residente em Portugal possui no seu conjunto um potencial profissional e académico de relevo digno de ser considerado uma mais-valia para o seu devido aproveitamento por Portugal nas suas relações económicas, uma ponte de ligação, não apenas com o Reino de Marrocos mas em geral com o mundo árabe.

Hoje, a língua de Luís Camões, além de ser o traço principal da união entre os países falantes da Língua Portuguesa e das comunidades portuguesas espalhadas pelos cantos do mundo, é grande na sua dimensão social, política, económica e geopolítica, um orgulho para os falantes da língua portuguesa, por isso, a celebração deste reconhecimento internacional não pode ficar numa mera data formal, é preciso reforçar os esforços com o envolvimento de todos e dos diferentes sectores da vida, e encara-lo como uma missão para transmitir que a língua é cultura e pátria, tal como Fernando pessoa disse, «a minha língua é minha pátria», é civilização, é o universo que nos referencia e nos singulariza, é coesão, é a nossa casa onde podemos receber os amigos da lusofonia, é o instrumento de integração e de estreitar os laços de amizades com o próximo, as pessoas e com povos, é ferramenta através da qual podemos transmitir o nosso Know how, tecnologia e economia.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG