Governo de Macron com mais sociedade civil e menos MoDem

São cinco os ministérios que passam a ter novas caras depois da remodelação anunciada ontem. Ex-ministro da Justiça rejeita acusações de "empregos fictícios" no partido

O presidente Emmanuel Macron estava reunido no Eliseu com o seu homólogo colombiano, Juan Manuel Santos. Lá fora os jornalistas esperavam pelo anúncio da composição do novo Governo, após a tradicional remodelação na sequência das legislativas, que seria feito por Alexis Kohler, secretário-geral do Eliseu. A comunicação atrasou-se e o compasso de espera foi preenchido pela orquestra colombiana que ia atuando no exterior do palácio. Uma das composições interpretadas pelos músicos foi o tema do genérico de A Guerra dos Tronos. Talvez uma ironia para quem esperava pelas notícias da dança de pastas.

São cinco os novos ministros (ver coluna ao lado) neste take 2 da governação do primeiro-ministro Édouard Philippe. Um ajuste governamental que em grande parte fica a dever-se às demissões que marcaram os últimos dias na política francesa. O Movimento Democrático (MoDem) - partido de François Bayrou que concorreu às legislativas coligado com o La République en Marche! (LREM) - fica sem qualquer ministério depois da queda de Bayrou, mas garante dois lugares no Executivo. Geneviève Darrieussecq é a nova secretária de Estado adjunta das Forças Armadas e Jacqueline Gourault fica como ministra-adjunta do Interior. À direita do espetro político Philippe foi buscar dois novos recrutas. Sébastien Lecornu, próximo do ministro das Finanças Bruno le Maire, foi escolhido para a secretaria de Estada da Transição Ecológica. E Jean-Baptiste Lemoyne, ex-senador d"Os Republicanos, fica na secretaria de Estado dos Negócios Estrangeiros. Com 20 ministros e dez secretários de Estado, Phillipe manteve a paridade: 15 homens e 15 mulheres. Também são 15 aqueles que vêm da sociedade civil. Os restantes 15 chegam vindos de vários quadrantes políticos: seis socialistas, dois do Partido Radical de Esquerda, cinco d"Os Republicanos e dois do MoDem.

"Vinte anos para regressar e um mês para cair". Era assim que o Le Figaro titulava ontem o artigo sobre a saída de François Bayrou do governo. Entre 1993 e 1997, Bayrou foi ministro da Educação de Édouard Balladur e de Alain Juppé. Seriam precisas duas décadas para voltar ao governo, desta vez como ministro da Justiça. Mas o homem que em 2007 fundou o Movimento Democrático (MoDem) a partir dos escombros da antiga UDF (União pela Democracia Francesa) só resistiu um mês e ontem anunciou que não continuaria em funções.

O agora ex-governante, que durante o mês em que esteve em funções elaborou uma proposta de lei para a moralização da vida pública, garantiu ontem em conferência de imprensa que "no MoDem nunca houve empregos fictícios". O inquérito que agora abala o partido de Bayrou prende-se com a suspeita de que assistentes de 19 eurodeputados, com conhecimento e aceitação destes, eram pagos pela União Europeia para, na realidade, trabalharem para o partido centrista.

"Não aceito viver sem a liberdade da palavra. Não aceito ser reduzido ao silêncio", afirmou ontem Bayrou, justificando assim a decisão de abandonar o Executivo. Isto porque, como titular da pasta da Justiça, estaria muito limitado nas declarações que poderia fazer em sua defesa. Não expor nem o governo nem Macron à polémica foi outra razão invocada para a saída.

Marielle de Sarnez, velha aliada de Bayrou e visada no referido inquérito preliminar, também deixou o executivo. A até agora secretária de Estado dos Assuntos Europeus passará, ao que tudo indica, a liderar os 42 parlamentares que compõem a equipa do MoDem na Assembleia da República francesa.

As saídas de Bayrou e de Sarnez juntaram-se às de Richard Ferrand, até agora ministro da Coesão dos Territórios, e de Sylvie Goulard, que tinha a seu cargo a pasta das Forças Armadas. A queda de Ferrand começou no início de junho, quando a Justiça francesa anunciou a abertura de um inquérito preliminar sobre um caso relacionado com o mercado imobiliário, que remonta a 2011, e que envolve ainda a sua companheira e também a ex-mulher. Ferrand irá agora disputar a presidência do grupo parlamentar do LREM. Sylvie Goulard deixa o ministério das Forças Armadas para "demonstrar, em liberdade, a sua boa fé" no inquérito parlamentar que visa o MoDem. Concluída a guerra dos tronos no governo francês, o novo conselho de ministros reúne-se amanhã pela primeira vez.

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?