Nova Zelândia: Suspeito do massacre de Christchurch envia carta da prisão

O massacre ocorreu em março e fez 51 mortos e 48 feridos. Foi o ataque mais mortífero da história do país. Atirador disparou sobre homens, mulheres e crianças.

As autoridades da Nova Zelândia admitiram esta quarta-feira que erraram ao permitir ao homem acusado da morte de 51 pessoas em duas mesquitas de Christchurch o envio de uma carta a partir da prisão.

A carta de seis páginas escrita por Brenton Tarrant foi, entretanto, publicada na internet através do site 4chan, conectado com movimentos supremacistas brancos. A carta está a transformar-se num assunto considerado "sensível" pelas forças policiais que referem que outros alegados assassinos, nos Estados Unidos ou na Noruega, estão a citar Tarrant como inspirador.

A carta foi escrita a lápis num bloco de apontamentos e é dirigida a um indivíduo identificado como "Alan", na Rússia. Parte do texto é sobre o mês que Tarrant passou na Rússia em 2015, mas há uma parte em que se refere a um iminente "grande conflito", sem especificar.

Exclusivos