Nova marcha contra o terror agendada para 17 de abril em Bruxelas

Primeira marcha pelas vítimas, agendada para quatro dias depois dos atentados, foi cancelada

Uma "marcha contra o terror e contra o ódio" decorrerá dia 17 de abril, em Bruxelas, anunciou hoje a organização, que cancelou uma iniciativa semelhante, por solicitação das autoridades, quatro dias depois dos atentados de 22 de março.

Numa nota enviada à agência Lusa, a organização indicou que a manifestação, com início na estação do Norte, tem por base o apelo de "muitos cidadãos e associações do mundo social, cultural e religioso" para uma "sociedade solidária".

Esta marcha quer reunir o conjunto da sociedade belga através de um "sinal de solidariedade para com as vítimas dos atentados e para com todos os que ajudaram, com as suas capacidades e com os seus serviços".

"Serão eles que ocupam o lugar de honra, à cabeça da marcha", garantiu a organização, que indicou que mais pormenores acerca do percurso serão dados posteriormente.

No texto de divulgação do evento, a organização alega ser este uma "oportunidade para condenar os ataques cruéis e a aversão ao terror", porque em Bruxelas há o "direito de viver, de habitar e trabalhar em segurança".

"Agora é hora de tirar lições", lê-se na nota, que acrescenta que o "terror visa semear a discórdia, o ódio e o extremismo".

Duas explosões no aeroporto e uma na estação de metropolitano de Maelbeek, reivindicadas pelos extremistas do Estado Islâmico, causaram mais de 30 mortos e 300 feridos, a 22 de março, em Bruxelas.

Quatro dias depois foi agendada uma marcha contra o terror, mas o apelo das autoridades, alegando razões de segurança, fez a organização adiar a manifestação.

Porém, nesse dia, surgiram dezenas de autoproclamados 'hoolingas', na Praça da Bolsa, que depois de adotarem atitudes provocatórias foram dispersos, nomeadamente com canhões de água utilizados pela polícia.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG