Notre-Dame. O fogo devastou a cultura europeia. Macron promete reconstruí-la

No momento em que o pináculo de Notre-Dame colapsou, ruiu um dos maiores símbolos do génio europeu.

Aquele pináculo era o grande coruchéu da Europa. Erguia-se a 48 metros de altura, mas não era apenas altura. Era o bordado, a forma como o arquiteto Eugène Viollet-le-Duc o tinha recuperado exemplarmente gótico. O pináculo de Notre-Dame que agora ardeu era já uma réplica do original. Foi erguido em meados do século XIX, era feito de madeira de carvalho e coberto de chumbo. O original, do século XIV, sucumbiu a 500 anos de vento.

Para todos os efeitos, o colapso do pináculo é o momento decisivo da tragédia. Chamavam-lhe La Fléche, a flecha, mas a sua ruína não é só parisiense e não é só francesa. Nem sequer é apenas europeia - a civilização e o génio humano perderam hoje um dos seus símbolos.

"Não é só Notre-Dame que arde, é toda uma parte da história da humanidade", dizia precisamente ao DN Anísio Franco, historiador de Arte no Museu Nacional de Arte Antiga. "Estamos a falar de um monumento que é uma marca fundamental da Europa, da cultura europeia. Isto é simplesmente um desastre."

Vários líderes mundiais, de Angela Merkel a Donald Trump, passando por Marcelo Rebelo de Sousa, vieram imediatamente a público apresentar as condolências ao povo francês e a apoiar as obras de reconstrução que se seguirão a uma noite difícil de ter fim. O governo começou por admitir a possibilidade de não conseguir salvar o edifício, mas pela meia-noite chegou um certo alívio: a estrutura de Notre-Dame estava a salvo.

"Graças à coragem dos bombeiros, foram salvas as torres e a fachada", disse à noite o presidente francês. "Neste momento quero deixar uma palavra de esperança. Esta catedral com mais de 900 anos vamos reconstruí-la todos juntos. Vamos lançar uma operação a nível nacional e internacional para que todos os recursos financeiros e talento sejam usados na reconstrução de Notre Dame. Porque isso é o que os franceses esperam e merecem, Notre Dame é a nossa História, o nosso imaginário, a nossa literatura, o nosso destino".

Com 14 milhões de visitantes anuais, a catedral é o monumento mais visitado da Europa. Instalada no meio da ÎIe de la Cité, foi construída entre 1163 e 1345. Símbolo maior do gótico em França, tinha sido declarado Património da Humanidade pela UNESCO em 1991, integrada no conjunto arquitetónico das margens parisienses do Sena.

Os bombeiros estimam que o incêndio tenha deflagrado nos andaimes das obras de requalificação do monumento. Os trabalhos tinham arrancado no início de 2017 e ocupavam agora o telhado junto ao pináculo. Tinham um custo estimado de 150 milhões de euros.

A fotógrafa Sandra Rocha, que vive em Paris, não tinha dúvidas sobre o estado de espírito na cidade. "Estamos todos de luto, não existe no mundo património muito mais importante do que este", diz a portuguesa, licenciada também em História de Arte. "É um desconsolo para todos os parisienses, venham de onde vieram. De todos os franceses, pelo menos."

Do mundo todo, e da cultura europeia em particular, na verdade. A UNESCO anunciou entretanto fundos de apoio para as obras de reconstrução que se seguirão ao rescaldo. No segundo em que o pináculo de Notre-Dame ruiu, uma parte da cultura europeia ruiu também. E, no mesmo segundo, começou a conversa de como reerguê-lo, outra vez.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.