Notre-Dame: Macron propõe à UE "cooperação para património europeu em perigo"

O objetivo é a prestação de assistência, a partilha de competências e de 'know-how'.

O presidente francês Emmanuel Macron vai propor à União Europeia a criação de "um mecanismo de cooperação para o património europeu em perigo", que será discutido numa reunião em Paris em 03 de maio, segundo fonte do governo.

"Como o património não é uma competência europeia, o presidente tomou a iniciativa de escrever aos seus homólogos para lhes propor a criação de um mecanismo de cooperação para o património europeu em perigo, com o objetivo de prestação de assistência, partilha de competências e de 'know-how'", afirmou a secretária de estado francesa dos Assuntos Europeus, Amélie de Montchalin, numa entrevista ao Journal du Dimanche, citada pela Agência France Presse.

Na segunda-feira à tarde deflagrou um incêndio na catedral Norte-Dame de Paris, que demorou cerca de 15 horas a ser extinto e destruiu o pináculo e uma grande parte do telhado do emblemático edifício. O presidente francês, Emmanuel Macron, disse na terça-feira que a catedral, o monumento mais visitado da Europa, estará reconstruída em cinco anos.

Afirmando que "quando há um grande incêndio na Europa, um mecanismo de solidariedade pode permitir emprestar 'canadairs' entre países da União Europeia", a secretária de Estado francesa dos Assuntos Europeus defendeu que, "para o património, pode imaginar-se uma rede de especialistas disponibilizada de acordo com as necessidades".

"Convidamos os nossos homólogos europeus, ministros da Cultura e dos Assuntos Europeus, a reunirem-se em França em 03 de maio. Além das nossas competências e recursos, se pudermos também beneficiar do apoio e da experiência dos nossos vizinhos para reconstruir Notre-Dame, vamos aproveitar essa oportunidade", referiu ainda a secretária de Estado.

Entretanto, o ministro da Cultura francês anunciou no sábado à noite que a catedral Notre-Dame está "quase salva", excetuando alguns "pontos sensíveis" na abóboda.

"Notre-Dame hoje está quase salva, já que todos os pontos sensíveis que se mantiveram -- o frontão norte, o frontão ocidental, entre os dois campanários da fachada, o campanário sul -, todos estes pontos foram protegidos, estabilizados, e isso é uma notícia formidável", afirmou Franck Riester, citado pela Agência France Presse, durante um concerto de homenagem ao monumento.

Segundo o ministro, "ainda há alguns pontos sensíveis na abóboda e, por isso, as equipas do Ministério da Cultura, das empresas, estão a trabalhar para remover os escombros que ainda estão na abóboda. E, a partir daí, poderemos dizer que a Notre-Dame de Paris está salva", acrescentou.

Desde o incêndio de segunda-feira, as contribuições para a reconstrução da catedral excederam os 800 milhões de euros, de anónimos ao Banco Central Europeu, passando por empresas como Apple e a Total, o Comité Olímpico Internacional ou as famílias Pinault e Arnault, entre muitos outros.

Exclusivos

Premium

Nuno Severiano Teixeira

"O soldado Milhões é um símbolo da capacidade heroica" portuguesa

Entrevista a Nuno Severiano Teixeira, professor catedrático na Universidade Nova de Lisboa e antigo ministro da Defesa. O autor de The Portuguese at War, um livro agora editado exclusivamente em Inglaterra a pedido da Sussex Academic Press, fala da história militar do país e da evolução tremenda das nossas Forças Armadas desde a chegada da democracia.

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.