Nos guetos onde os imigrantes se sentem estigmatizados

Em algumas áreas urbanas daquele país nórdico designadas oficialmente por "guetos" há residentes que se sentem estigmatizados e excluídos da sociedade. Governo tem desde março plano para fomentar a integração.

A Dinamarca é o único país a classificar formalmente algumas zonas residenciais como guetos. Uma área encaixa nesta categoria se mais de metade dos habitantes forem originários de países não ocidentais e se se cumprir outros critérios, tais como ter uma taxa de desemprego acima dos 40%.

"Quando os jornalistas vêm aqui quero falar sobre as coisas boas, mas eles não estão interessados. Estão interessados em gangues, conflitos e guetos. Deixa-me triste", explica Salim El-Chahabi, um palestiniano que veio para a Dinamarca em 1999 e trabalha como coordenador laboral em Mjolnerparken, um gueto de Copenhaga. Só umas poucas pessoas provocam o caos, o resto dos habitantes são pessoas boas, educadas e próximas da família. Infelizmente, umas poucas pessoas estragaram tudo para nós."

Há décadas que a Dinamarca procura a melhor forma de integrar os seus imigrantes no Estado social. O debate público intensificou-se em 2015 com a chegada de grandes grupos de refugiados vindos do Médio Oriente e do Norte de África. O Partido Popular Dinamarquês, anti-imigração, tornou-se a segunda maior formação no Parlamento nesse ano.

No passado mês de março, o primeiro-ministro Lars Lokke Rasmussen, do Partido Liberal, anunciou um plano destinado a fomentar a integração dos imigrantes e a eliminar os guetos - uma palavra que é igual em dinamarquês - até 2030. As medidas incluem proibir criminosos de se mudarem para estas áreas, duplicando as penas a quem cometer um crime num gueto, e destruindo algumas zonas antes de as voltar a construir.

O plano foi recebido de forma mista em Mjolnerparken, no centro de Copenhaga, um dos 25 guetos dinamarqueses - um termo com origens na Veneza do século XVI e usado para descrever certas áreas da cidade às quais os judeus estavam confinados.

Alguns residentes de Mjolnerparken acham que o plano do governo pode melhorar as suas comunidades ao reduzir o crime e aumentar as perspetivas de emprego, mas outros temem que simplesmente aprofunde as divisões ao criar sociedades paralelas onde se aplicam regras diferentes. "Vai ajudar, sim, mas acredito que também vai ter efeitos negativos", afirma El--Chahabi, de 50 anos.

A Dinamarca designa oficialmente algumas áreas como guetos desde 2010, locais onde identifica ser necessário dar mais atenção à integração dos residentes. "A descrição oficial faz que as crianças se associem a uma vida de crime e dinheiro rápido", garante Khosrow Bayet, de 55 anos e origem iraniana, que veio para a Dinamarca há mais de três décadas e lidera o Sjakket, um clube de ocupação de tempos livres para as crianças das escolas dos guetos de Copenhaga.

Em Mjolnerparken, assim chamado em homenagem ao martelo do rei Thor, Mjolnir, mais de quatro em cada cinco residentes têm origens não ocidentais e quase metade não tem emprego.

"Fui a um médico quando era mais jovem com uma dor de costas e ele perguntou se o meu marido me espancava, e eu exclamei: "Claro que não!"", explica Umm-Meyounah, de 37 anos e mãe de duas crianças. Dinamarquesa, esta casou-se com um imigrante do Médio Oriente. "É com isto que temos de lidar o tempo todo. Passamos o tempo a explicar que não somos espancadas em casa e que não somos terroristas."

Jornalista da Reuters

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

"O clima das gerações"

Greta Thunberg chegou nesta semana a Lisboa num dia cheio de luz. À chegada, disse: "In order to change everything, we need everyone." Respondemos-lhe, dizendo que Portugal não tem energia nuclear, que 54% da eletricidade consumida no país é proveniente de fontes renováveis e que somos o primeiro país do mundo a assumir o compromisso de alcançar a neutralidade de carbono em 2050. Sabemos - tal como ela - que isso não chega e que o atraso na ação climática é global. Mas vamos no caminho certo.