Norueguês constrói maior iate do mundo para retirar plástico do oceano

Empresário que fez fortuna com a exploração de petróleo quer salvar os oceanos, livrando-os do plástico. Embarcação tem capacidade para recolher cinco toneladas por dia.

O milionário norueguês Kjell Inge Røkke decidiu dedicar uma parte da sua fortuna à construção daquele que será o maior iate investigação e remoção de plástico dos oceanos. De acordo com a Gazeta do Povo, o navio irá recolher cerca de cinco toneladas de plástico por dia, para depois o reciclar.

Kjell Inge Røkke, que detém quase 67% da frota marítima e da exploração petrolífera offshore do grupo Aker ASA, foi considerado pela Forbes um dos homens mais ricos da Noruega. Para o empresário, que começou a carreira como pescador, esta é uma forma de devolver ao mar aquilo que este lhe deu.

Segundo a informação disponível no site da REV Ocean, o navio deverá ser lançado em 2021 e irá levar a bordo investigadores de todo o mundo com o objetivo de reunir mais conhecimento, criar mais consciência, desenvolver novas soluções sustentáveis e recolher resíduos de plástico. Nas suas viagens, terá capacidade para levar 60 investigadores e uma tripulação de 40 técnicos para explorar o fundo do mar.

Para conseguir chegar ao plástico, o iate, projetado pelo arquiteto naval Espen Oeino, utiliza várias dezenas de sensores e outros equipamentos de ponta, sendo que todo o material recolhido será reciclado. Projetado para ter emissões muito reduzidas, o navio é constituído por laboratórios, salas de aula, auditórios e um veículo subaquático, que também irá participar nas investigações.

O objetivo é que seja desenvolvida investigação na área do ambiente, da pesca, da biodiversidade e da vida marítima a bordo do REV.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.