"Mundo está numa fase nova e perigosa. Vírus está a espalhar-se"

Só na quinta-feira foram registados mais de 150 mil novos casos, o máximo diário até agora. Organização Mundial de Saúde diz que o vírus está a espalhar-se rapidamente, numa altura em que as sociedades estão fartas de isolamento e querem abrir economias.

A pandemia do novo coronavírus está agora numa "fase nova e perigosa", alertou a Organização Mundial da Saúde (OMS) esta sexta-feira, com o vírus a acelerar ao mesmo tempo que as pessoas se mostram cansadas dos isolamentos e quarentenas.

"O mundo está numa fase nova e perigosa. Muitas pessoas estão cansadas de estar em casa mas o vírus ainda está a espalhar-se rapidamente. Os países estão compreensivelmente ansiosos para abrir as sociedades e economias. Mas o vírus espalha-se, ainda é mortal e a maioria das pessoas ainda é suscetível", disse o líder da OMS, Tedros Adhanom Ghebreyesus, em conferência de imprensa virtual, citado pela agência France-Presse.

E forneceu números que exemplificam estes receios. "A pandemia está a acelerar. Mais de 150 mil novos casos de Covid-19 foram relatados à OMS ontem [quinta-feira] - o máximo num único dia até agora. Quase metade desses casos foi registada nas Américas, com um grande número também a ser reportado no sul da Ásia e Médio Oriente", afirmou o dirigente da organização da ONU.

"Convocamos todos os países e todas as pessoas para continuarem a exercer extrema vigilância", acrescentou o diretor-geral no habitual briefing da OMS.

A OMS aproveita para lembrar que amanhã, sábado, é Dia Mundial do Refugiado. "É um momento importante para destacar os riscos da Covid-19 para algumas das pessoas mais vulneráveis. Os refugiados estão particularmente em risco porque geralmente têm acesso limitado a serviços adequados de abrigo, água, nutrição, saneamento e saúde", salientou Tedros Ghebreyesus, admitindo que a "OMS está muito preocupada com o perigo real e atual da transmissão generalizada nos campos de refugiados".

A pandemia do novo coronavírus já causou a morte a pelo menos 454.101 pessoas e infetou mais de 8,5 milhões em todo o mundo desde dezembro, segundo um balanço da agência AFP baseado em dados oficiais.

De acordo com os dados recolhidos pela agência de notícias francesa até às 12:00 de Lisboa, já morreram pelo menos 454.101 pessoas e há mais de 8.504.890 infetados em 196 países e territórios desde o início da epidemia, em dezembro de 2019 na cidade chinesa de Wuhan.

Pelo menos 3.927.100 casos foram considerados curados pelas autoridades de saúde.

Mais Notícias

Outros conteúdos GMG