Morte de ativista brasileira foi real ou metafórica?

Suicídio, em fevereiro, de Sabrina Bittencourt, a mulher que denunciou os casos de abuso sexual do médium João de Deus, causou choque. Dois meses depois crescem os rumores de encenação

"Marielle me uno a ti. Eu fiz o que pude, até onde pude. Meu amor será eterno por todos vocês. Perdão por não aguentar, meus filhos", escreveu no dia 2 de fevereiro Sabrina Bittencourt, ativista brasileira de 38 anos, na sua conta de facebook. No dia seguinte, o filho, Gabriel Baum, e a ONG Vítimas Unidas, a cuja coordenação pertencia, anunciaram o seu suicídio.

Consternadas, dezenas de vítimas de abuso sexual, a causa a que Sabrina se dedicara nos últimos anos, entupiram os telefones das redações dos jornais, onde amigos da ativista, que se tornara fonte preciosa de informações, também estavam em choque, a pedir detalhes e enviar condolências. "Obrigada por dar voz e coragem a tantas mulheres", publicou a atriz Marina Ruy Barbosa, nas redes sociais. "A maior ativista do Brasil", descreveu Felipe Neto, um youtuber de sucesso. "Ela era tão solar que o suicídio não parece combinar com esse roteiro de vida", resumiu a amiga e atriz Ingrid Guimarães.

Nas horas seguintes, entretanto, enquanto o filho dizia que a mãe se suicidara no Líbano e seria enterrada debaixo de uma oliveira, o grupo Vítimas Unidas afirmava em nota que a morte ocorrera em Barcelona. E no perfil de facebook de Sabrina era publicada uma fotografia dela, na véspera do suicídio, em Angola.

A imprensa passou então a procurar mais informações, no consulado brasileiro de Barcelona e nas embaixadas do país sul-americano no Líbano e em Angola sobre registos de óbito, de velório, de enterro. E nada. A edição da segunda-feira seguinte ao suicídio do jornal O Globo já falava em "comoção" mas também em "informações desencontradas".

Na sequência, o site Hypeness citou amigos de Sabrina e falou pela primeira vez em "morte simbólica". Na revista Carta Capital, que dedicou a sua edição de dezembro de 2018 a Sabrina com o título de capa "ela desmascarou [o médium] João de Deus", a também ativista Maria do Carmo Lopes dizia não acreditar na tese do suicídio metafórico mas pedia para não ser mais contactada. "Para mim, ela partiu, nada mais!".

O filho escreveu nas redes sociais que "o corpo é dela, nenhum governo, youtuber, jornalista sensacionalista e gente corrupta de merda vai querer caçar o corpo dela".

Entrevistado pela revista Época, o espanhol Rafael Bueno, segundo marido de Sabrina e pai dos seus dois filhos mais novos, irmãos de Gabriel, corroborou a ideia: "Ninguém terá seu corpo como troféu. Nenhum homem desconhecido verá e tocará seu corpo sem seu consentimento. Nem morta deixará de ser uma mulher livre". Sobre um eventual suicídio para assumir uma nova identidade, Bueno afirmou que "seria ótimo que ela tivesse tido tempo para isso". "Ela estava tão envolvida, 24 horas por dia em salvar pessoas, que não teve tempo para cuidar de si mesma".

AMEAÇAS DE MORTE

Os que não acreditam no suicídio de Sabrina Bittencourt dividem-se em dois grupos. Um deles defende a tese que ela forjou o seu desaparecimento por estar a sofrer ameaças de morte. A jornalistas, a ativista enviara uma mensagem a denunciar perseguição horas antes do anúncio do suicídio. "Estou a ser perseguida por um homem chamado Paulo Pavesi. Um guia que trabalha na casa Dom Inácio de Loyola marcou vários matadores de João de Deus pedindo para me localizarem. Esse é o perfil dele. Ele é louco. Eu avisei que nesta semana fariam milhares de fake news a meu respeito".

João de Deus é um dos mais famosos médiuns brasileiros e mundiais, guru até da apresentadora norte-americana Oprah Winfrey, que publicou reportagens elogiosas sobre o seu trabalho espiritual em Abadiânia, pequena cidade do estado de Goiás. O médium foi denunciado por abuso sexual por dezenas de mulheres no final do ano passado, num trabalho coordenado, entre outras ativistas, por Sabrina Bittencourt. Por isso, ela se sentia ameaçada.

A esse propósito, a colunista da versão brasileira do jornal The Intercept Bruna de Lara lamentou que "o jornalismo tenha sido cegado por uma objetividade inabalável". E defendeu que, caso Sabrina tenha de facto forjado a sua morte, "qual o propósito de jornais ligarem para embaixadas, consulados e importunar o filho - um menino de 16 anos - sabendo que arriscar a vida de Sabrina (se ela ainda tiver uma) é o único resultado possível da busca pelo seu corpo?".

Em Portugal, onde reside, a fundadora da Vítimas Unidas, a ONG com que Sabrina colaborava, disse à revista Época que "se provarem que ela está viva, e que tudo isso é uma mentira, serei a primeira a sinceramente ter uma das maiores deceções da minha vida". Para Vanuzia Lopes, "as responsabilidades jurídicas e outras deste ato, se for provado ser fantasioso, são dela, exclusivamente".

MEGALOMANIA

O segundo grupo dos que não acreditam no suicídio, em vez da ênfase nas ameaças, destacam precisamente, as palavras "fantasia" e "mentira", Entre eles, Vinícius Thiessen, pai de Gabriel e primeiro marido de Sabrina, ouvido pelo jornal Metrópoles. "O que a Sabrina faz ou deixa de fazer não me diz respeito. O problema é o meu filho. A Sabrina está escondida no mundo, e eu encontro-me extremamente preocupado com o meu filho. Ele está sob o total poder da mãe. E eu não sei o que fazer".

Segundo o jornal, outros familiares e amigos contactados que pediram o anonimato referem-se a Sabrina como "megalomaníaca" e "mitómana", versão que os muitos defensores do trabalho dela contestam.

A reportagem recorda um caso de 2007, quando a ativista conseguiu pela primeira vez atrair a atenção dos media ao vender a festa do seu segundo casamento como a primeira boda ecologicamente correta, incluindo vestido feito de matérias recicláveis.

No ano seguinte, surgiu em programa da TV Globo como fundadora de 18 projetos sociais aos 26 anos.

Mais tarde, produziu um programa de culinária no youtube em que o seu filho, Gabriel, era o apresentador, aos nove anos.

Voltou ainda a atrair a atenção da Globo, e do mítico programa Fantástico, por ter sofrido repentina amnésia enquanto almoçava com a família. Segundo ela, esqueceu-se dos então últimos 11 anos da sua vida, não reconhecia o marido, nem os filhos mais novos, nem o facebook nem um smartphone. "Na minha mente, eu estava com 21 anos", dizia.

CONTRA OS GURUS

Foi em 2016 que Sabrina passou a dedicar-se às causas ligadas a vítimas de violência sexual, quando uma violação coletiva de uma jovem no Rio de Janeiro, filmada e divulgada nas redes sociais pelos abusadores, chocou o país. Através da hashtag #Eusousobrevivente contou que também ela sofreu abusos na adolescência na comunidade religiosa dos seus pais, a Igreja Mórmon, no Recife.

"Aos hipócritas que me foderam há 20 anos, um aviso: vocês também vão cair. Cansei de ver que neste tempo vocês não evoluíram e continuam com as mesmas práticas perversas, arruinando famílias. Eu já não sou a garotinha de 16 anos. E não vou poupar ninguém. Sei bem que essa mensagem vai chegar a vocês. E não é uma ameaça, é uma promessa. Por mim e por todas as garotas e mulheres que sofreram na mão de vocês", escreveu.

Mais tarde, depois do jornal Folha de S.Paulo noticiar supostos abusos cometidos pelo guru brasileiro Sri Prem Baba, passou a servir de confidente ​​​​​​online de mulheres que tivessem sido vítimas desse tipo de crime dentro de comunidades espirituais. Em poucos dias, recebeu mais de 100 relatos contra religiosos poderosos, entre os quais João de Deus. Foi então que jornalistas, segundo ela, passaram a procurá-la.

Denunciado o médium - preso desde 16 de dezembro - ganhou admiração e inimizades. Conta a jornalista do The Intercept que semanas antes da notícia da morte de Sabrina nunca havia visto ou ouvido "uma pessoa tão exausta". "Isolada em algum canto do mundo, ela contava, abatida, as denúncias que vinha recebendo; a sua dedicação em tempo integral ao acolhimento das vítimas; as ameaças incessantes contra ela e sua família; e a mudança constante para evitar ser localizada por quem a ameaçava. Nessas condições, o seu suicídio não deixa de ser uma espécie de assassinato".

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?

Premium

Adolfo Mesquita Nunes

É o que dá prometer nacionalizar tudo o que mexe

A chegada de Jeremy Corbyn à liderança do Partido Trabalhista foi saudada como uma espécie de feliz regresso às origens, aos ideais fundacionais, à verdadeira esquerda. Tanto mais que essa vitória se fez contra as principais figuras do partido, enfrentando o chamado sistema, amparado num discurso profundamente desconfiado da economia de mercado e próximo de experiências socialistas ou comunistas. Nessa narrativa, que se popularizou, Blair representava o abastardamento desses ideais, uma espécie de esquerda vendida, incapaz de resistir aos vis interesses do capitalismo. Já Corbyn, claro, representava a esquerda autêntica, a preocupada com os mais vulneráveis, e por isso capaz de mobilizar toda aquela jovem militância que transvasava para o partido vinda das redes sociais. E à medida que Corbyn foi resistindo aos ataques do chamado baronato do partido, e não o levando ao colapso eleitoral que os barões afiançavam, a narrativa foi ganhando adeptos na opinião publicada e nas redes sociais politizadas, como que confirmando a ideia de que o centro moderado estava morto, enterrado, que o velho socialismo era o novo socialismo, o único capaz de mobilizar a juventude e as massas, o exemplo a seguir. Diga-se que esta ideia de moderação morta e enterrada não se quedou pelos trabalhistas ingleses nem sequer pela esquerda inglesa. Vários partidos socialistas europeus andam com entusiasmos ou ânimos semelhantes (França, Espanha e Portugal são exemplos), como à direita anda muita gente a defender o mesmo (Espanha e Portugal são exemplos também). Mas eis que o colapso eleitoral chegou, e com estrondo. Um resultado ainda pior do que o sofrido por Foot e Kninock, perdendo bastiões que eram seus há décadas. É o que dá defender nacionalizações de tudo e mais alguma coisa e propor um manifesto próprio da esquerda sul-americana. É o que dá confundir indignação com razão, radicalismo com determinação, emoção com inspiração, tudo embalado pelas redes sociais politizadas, dominadas por elites urbanas deslocadas das principais preocupações das pessoas. Mas se o centro não morreu, se a moderação está viva e de boa saúde, como explicar que Boris Johnson, tomado por cá como uma espécie de Trump, como uma direita pouco moderada, tenha tido uma vitória esmagadora? Convém ir além da forma e do estilo e conhecer não só o trajeto executivo de Boris na Câmara de Londres como também o seu manifesto para estas eleições. Conhecendo-o, vejo poucas razões para a direita que desdenha a moderação andar a celebrar esta vitória. Boris funda o seu manifesto numa adesão à economia de mercado e à democracia liberal pouco compatível com os críticos da globalização e da livre circulação, e exalta um cosmopolitismo e um liberalismo social que costumam arrepiar quem acha que isso é marxismo cultural.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Contas certas com prioridades certas

Cada vez mais, ouvimos dizer que o vínculo entre os cidadãos e a vida política é, hoje em dia, menos pleno do que antes. Rui Rio, esta semana, falou até de um "divórcio entre a sociedade e os partidos". Percebe-se o recurso a esta metáfora por parte do PSD, devido ao seu clima interno de discórdia. No entanto, constatar o afastamento não basta e não nos isenta. Há também que refletir sobre o conceito de "democracia de proximidade" de que tanto falamos e do que isso significa. O que é - de facto - uma democracia de proximidade? Em primeiro lugar, é a democracia próxima dos problemas e anseios dos cidadãos. Basta olhar para a esfera pública para perceber que se exige cada vez mais à democracia que seja capaz de resolver problemas reais e estruturais.