Morreu francês que salvou centenas de crianças judias

Georges Loinger tinha 108 anos. A sua morte foi anunciada pela Fundação Memorial do Holocausto

Nascido numa família judia em Estrasburgo, Georges Loinger servia no Exército francês quando foi preso pelos nazis em 1940. Conseguiu, porém, evadir-se.

Um dos métodos que usou para salvar crianças foi levá-las até à fronteira com a Suíça e depois chutar uma bola para o lado de lá da fronteira e dizer às crianças para correrem atrás dela.

"Descobri um campo de futebol que ficava na fronteira. Tinha portões com dois metros e meio de altura. Punha as crianças a jogar à bola. Dizia-lhes para abrirem os portões e passarem para o lado de lá", contou.

Quando capturado pelos nazis, o seu cabelo loiro e os olhos azuis iludiram a sua origem judia. Regressado a França depois de se evadir, juntou-se a uma organização que salvava crianças judias cujos pais tinham sido assassinados ou enviados para campos de concentração.

Outro método foi vestir as crianças como se estivessem de luto e levá-las a um cemitério na fronteira franco-suíça. Aí elas subiam a escada de um coveiro para passar o muro para o lado de lá, ficando aí em território neutro (a Suíça). Pensa-se que terá salvo cerca de 350 crianças.

Georges Loinger era primo de outra figura de proa na resistência francesa ao nazismo, o artista mímico Marcel Marceau (1923-2007), que também salvou bastantes crianças durante a II Guerra Mundial.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG