Milhões de abelhas estão a morrer no Brasil e isso é um aviso

Mais de 500 milhões de abelhas morreram em quatro estados do sul do Brasil nos primeiros meses do ano. Os pesticidas podem ser os culpados deste autêntico assassínio em massa.

A morte em massa de abelhas devido aos químicos agrícolas já é há muito tempo uma preocupação no Brasil, onde, entre 1990 e 2016, o uso de pesticidas aumentou 770%, de acordo com a FAO, organização das Nações Unidas que acompanha o setor agrícola e alimentar. Mas a eleição de Jair Bolsonaro, que já deixou claro que questões ambientais ou de saúde não o impedirão de abrir caminho aos grandes agricultores que o apoiaram na corrida à presidência, veio agravar ainda mais o cenário.

Por isso, a mortandade verificada nos primeiros meses do ano - mais de 500 milhões de abelhas em quatro estados do sul do país - voltou a trazer a questão a lume, chamando-se a atenção para a elevada quantidade e variedade de pesticidas usados na agricultura brasileira, alguns deles proibidos noutras regiões do mundo, como a União Europeia (UE). É o caso do Fipronil, que, de acordo com uma reportagem da Bloomberg, foi encontrado nas abelhas mortas.

Este agroquímico, que está banido da UE e foi classificado como possivelmente cancerígeno pela Agência Ambiental dos Estados Unidos da América, é, no entanto, autorizado no Brasil. Nada de espantar, se tivermos em conta que, segundo a Greenpeace, 40 por cento dos pesticidas usados neste país são altamente tóxicos e 32% não são permitidos na UE.

Acresce que, desde que Bolsonaro chegou ao Palácio do Planalto, foi atingido o recorde de pesticidas autorizados para venda - 290 - mais 27 por cento do que no mesmo período do ano passado - e é de esperar que os limites ao tipo de químicos e tóxicos sejam ainda mais alargados.

A variedade de produtos é uma das questões que mais alarma os especialistas. "Quanto maior for o número, mais baixas as nossas hipóteses de segurança, porque não é possível controlá-los a todos", disse à Bloomberg Silvia Cazenave, professora de toxicologia da Universidade de Campinas.

Teme-se, portanto, o pior: uma produção agrícola inundada de pesticidas que contaminam a alimentação humana. "A morte de todas estas abelhas é um sinal de que estamos a ser envenenados" disse ao site de notícias Carlos Alberto Bastos, presidente da Associação Apícola do Distrito Federal brasileira.

Exclusivos

Premium

Viriato Soromenho Marques

Madrid ou a vergonha de Prometeu

O que está a acontecer na COP 25 de Madrid é muito mais do que parece. Metaforicamente falando, poderíamos dizer que nas últimas quatro décadas confirmámos o que apenas uma elite de argutos observadores, com olhos de águia, havia percebido antes: não precisamos de temer o que vem do espaço. Nenhum asteroide constitui ameaça provável à existência da Terra. Na verdade, a única ameaça existencial à vida (ainda) exuberante no único planeta habitado conhecido do universo somos nós, a espécie humana. A COP 25 reproduz também outra figura da nossa iconografia ocidental. Pela 25.ª vez, Sísifo, desta vez corporizado pela imensa maquinaria da diplomacia ambiental, transportará a sua pedra penitencial até ao alto de mais uma cimeira, para a deixar rolar de novo, numa repetição ritual e aparentemente inútil.

Premium

Maria do Rosário Pedreira

Agendas

Disse Pessoa que "o poeta é um fingidor", mas, curiosamente, é a palavra "ficção", geralmente associada à narrativa em prosa, que tem origem no verbo latino fingire. E, em ficção, quanto mais verdadeiro parecer o faz-de-conta melhor, mesmo que a história esteja longe de ser real. Exímios nisto, alguns escritores conseguem transformar o fingido em algo tão vivo que chegamos a apaixonar-nos por personagens que, para nosso bem, não podem saltar do papel. Falo dos criminosos, vilões e malandros que, regra geral, animam a literatura e os leitores. De facto, haveria Crime e Castigo se o estudante não matasse a onzeneira? Com uma Bovary fiel ao marido, ainda nos lembraríamos de Flaubert? Nabokov ter-se-ia tornado célebre se Humbert Humbert não andasse a babar-se por uma menor? E poderia Stanley Kowalski ser amoroso com Blanche DuBois sem o público abandonar a peça antes do intervalo e a bocejar? Enfim, tratando-se de ficção, é um gozo encontrar um desses bonitões que levam a rapariga para a cama sem a mais pequena intenção de se envolverem com ela, ou até figuras capazes de ferir de morte com o refinamento do seu silêncio, como a mãe da protagonista de Uma Barragem contra o Pacífico quando recebe a visita do pretendente da filha: vê-o chegar com um embrulho descomunal, mas não só o pousa toda a santa tarde numa mesa sem o abrir, como nem sequer se digna perguntar o que é...