A mulher que ofereceu quartos de hotel a sem-abrigo. "Foi um impulso de momento"

Candice Payne, 34 anos, decidiu alugar quartos num hotel para ajudar os enregelados sem-abrigo. Pediu apoios no Instagram e já tem 60 quartos e mais de 10 mil euros

A história que aquece corações, numa altura em que tanto se fala de frio, é contada na edição deste domingo do New York Times. Com as temperaturas a atingir os 50 graus abaixo de zero, mais de uma centena de se abrigo viram-se, inesperadamente, alojados em quartos quentinhos, com comida e roupa lavada.

Tudo graças a Candice Payne, uma corretora de 34 anos, que decidiu não ficar quieta quando viu as imagens de dezenas de sem-abrigo enregelados. Diz que foi um "impulso de momento" para ajudar. "Estavam 50 graus negativos e eu sabia que eles estavam a dormir no gelo. Tinha de fazer alguma coisa", contou este sábado.

Payne contactou então hotéis locais de conseguiu a disponibilidade de 30 quartos no Amber Inn, para a noite de quarta para quinta-feira passada - quando as temperaturas em Chicago atingiram mínimas de 26 e 27 graus.

Depois de ter pago os alojamentos com o seu cartão de crédito, Candice pediu, através da sua conta no Instagram, que alguém a ajudasse a transportar os sem-abrigo. Atraindo uma repentina onda de solidariedade, não esperou muito até ter na sua frente uma enorme fila de automóveis e carrinhas de voluntários.

Duas mulheres grávidas e uma família de cinco pessoas no primeiro grupo de sem-abrigo que foram para o hotel.

Na sua conta da CashApp também começaram a cair doações, tendo atingido mais de 10 mil euros. O número de quartos alugados duplicou para 60. "Tivemos de acomodar todos. Foi realmente impressionante. Os sem-abrigo estavam tão agradecidos. Só pensavam em tomar um banho quente e deitarem-se numa cama", sublinhou Candice Payne.

O gerente do Amber Inn, Roby Smith, revelou que "muita gente seguiu o exemplo de Payne e outras pessoas começaram a ligar anonimamente e a pagar quartos". O hotel entrou também na onda solidária e baixou os preços para que mais pessoas pudessem ali pernoitar.

Os quartos só deveriam estar ocupados pelos sem-abrigo até quinta-feira, mas dado o volume de donativos alcançado, a estadia foi prolongada até este domingo, pelo menos.

Candice Payne também comprou produtos de higiene pessoal, alimentos, vitaminas pré-natais, loções, desodorizantes e lanches, tendo organizado kits de cuidados para ajudar as pessoas a sentirem-se confortáveis. Vários restaurantes doaram bandejas de comida.

"Sou uma pessoa normal", disse Payne. "Pareceu que tinha sido uma pessoa rica a fazer tudo isto, mas eu sou apenas uma garotinha negra do South Side. Pensei que era impossível, mas depois de testemunhar o que aconteceu e ver pessoas de todo o mundo, isto diz-me que não é assim tão inatingível. Todos juntos podemos conseguir", afiançou.

A corretora diz que gostava de encontrar outras formas de ajudar os sem-abrigo de Chicago. "Esta foi uma solução provisória, mas inspirou-me a procurar uma solução permanente", salientou.

A sua ambição pode ter o apoio do governador de Illinois, que telefonou a Payne. "Agradeceu-me e disse-me que foi um dos maiores atos de bondade que se viu nos últimos tempos", afiançou.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.