Michael Palin vai ser "sir". Mas muitos disseram "não" à Rainha

Apesar de ser uma tradição britânica, a condecoração entregue pela própria Isabel II já foi rejeitada por David Bowie e por atores como Jim Broadbent. Este ano, os condecorados são Michael Palin, a modelo Twiggy e o treinador de futebol Gareth Southgate.

Recebem medalhas da mão da Rainha de Inglaterra e passam a juntar um "sir" ou "dame" aos nomes de batismo. As condecorações do Ano Novo (conhecido pelos britânicos como New Year Honours) são uma tradição antiga em Inglaterra. Todos os anos, por esta altura, entre o findar de um ano e o início de outro, Isabel II distingue cidadãos britânicos pelos seus feitos, sejam eles de que tipo forem. O escritor, ator, comediante e apresentador de televisão Michael Palin, a modelo Twiggy e o treinador de futebol Gareth Southgate são algumas das grandes estrelas deste ano. Mas levar esta condecoração para casa não é um prémio que todos desejem. Na verdade, algumas das personalidades escolhidas já a recusaram.

São celebridades, ou não, do mundo da música, cinema, desporto, ciência, entre outros. Desde a violinista Nicola Benedetti, passando pelo baterista dos Pink Floyd, Nick Mason, pelo realizador Christopher Nolan e pela atriz Sophie Okonedo, a tradição britânica já conheceu muitas caras.

Esta ordem de cavalaria, estabelecida em 1917 pelo rei Jorge V, distingue quem realizou trabalhos notáveis nas artes, ciências, no trabalho com organizações de caridade e de assistência social. As figuras destacadas todos os anos podem ainda receber, em vez da Ordem do Império, a Medalha do Império Britânico, para destinatários que estejam afiliados, embora não sejam membros da ordem. Há cerca de seis tipos diferentes de condecoração.

Michael Palin recebe um deles e é o novo "cavaleiro" britânico. Levou os ingleses às gargalhadas enquanto uma das estrelas dos Monty Python. Cerca de 40 anos depois de ter começado na comédia, em 1969, é também conhecido pelos seus documentários de viagens e já escalou uma bem sucedida carreira como escritor e apresentador de televisão. Agora, com 75 anos, abre lugar no currículo para ser a figura condecorada pela realeza britânica, juntamente com a modelo Twiggy, condecorada como "dama" e Southgate, que recebe a Ordem do Império Britânico.

Entre os distinguidos estão também Melissa Mead e Colin Crooks, ambos com impacto social relevante na comunidade. Melissa pegou na dor de ter perdido um filho, em 2014, devido a uma infeção sanguínea, e lançou uma campanha para aumentar a consciencialização sobre esta doença, também conhecida como sepse. Já Colin Crooks é premiado pelo auxílio que presta desde os anos 80 a famílias pobres de Londres, através da empresa social Tree Shepherd.

As medalhas são entregues pela própria Rainha Isabel II. Mas o charme da cerimónia e o rigor imperial parece afastar grande parte dos premiados, alguns dos quais até recusaram levar a ordem de mérito para casa. De Bowie ao ator Jim Broadbent, a história repete-se. E cada um deu a sua explicação para a rejeição deste título.

Em 2000, o entretanto falecido cantor e compositor David Bowie era distinguido com o título de Oficial do Império Britânico, mas rapidamente lhe viraria costas. "Sinceramente, não sei do que se trata. Não é aquilo para que trabalhei toda a minha vida", disse na altura. No mesmo ano, o ator Jim Broadbent, famoso por interpretar Horace Slughorn na saga Harry Potter, era premiado com o mesmo título, que também decidiu rejeitar, lembrando o "espírito anarquista" do seu pai, que "ficaria orgulhoso" por saber que não o aceitou.

Um ano depois, a rejeição também bisava na lista de condecorações, com o poeta Benjamin Zephaniah e o escritor JG Ballard a tecerem duras críticas sobre a vida dentro do Palácio de Buckingham.

Ainda muito antes, em 1977, o cineasta Ken Loach recusaria a condecoração. "Não é um clube ao qual queiras pertencer, quando olhas para para os vilões que o conseguiram", disse, em entrevista à revista britânica Radio Times.

A verdade é que, de acordo com a BBC, o próprio Michael Palin não se mostrou muito entusiasmado com a condecoração, adiantando que faria uma "celebração silenciosa". "Só eu e um copo de Horlicks e depois vou para a cama".

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.