Merkel deixa o aviso: "Se for o último Natal com os avós, é porque fizemos algo mal"

Alemanha vai reforçar medidas de combate à pandemia entre a véspera de Natal e 10 de janeiro. A ideia é usar a época das festas para manter as pessoas o mais possível em casa e quebrar as cadeias de transmissão.

Com a Alemanha a chegar a um registo diário de perto de 600 mortos, a chanceler Angela Merkel pediu esta quarta-feira mais esforços para achatar a curva da pandemia.

Passada a primeira vaga, a Alemanha impôs medidas menos restritivas do que muitos outros países europeus, mas a maior economia europeia tem sido fortemente atingida pela segunda vaga, com as novas infeções diárias a serem três vezes mais elevadas do que no pico da primavera. Nesta quarta-feira, a Alemanha registou 590 mortos devido à covid-19.

Um número que levou Merkel a admitir que as medidas acordadas há duas semanas com os líderes das 16 regiões do país - que mantinham o comércio aberto mas proibiam os jantares em espaços fechados - já não chegam.

"Quando estão a montar bancas para vender vinho quente ou waffles, isso não é compatível com o que ficou acordado e que previa apenas take-away para a venda de alimentos e bebidas", disse Merkel num discurso no Parlamento em que não escondeu a emoção.

"Tenho muita pena... mas se estamos a pagar o preço diário de 590 mortes, isso não é aceitável", afirmou. Por isso mesmo, a chanceler explicou que o país vai seguir as recomendações dos cientistas para encerrar o comércio e limitar as reuniões públicas.

Os cientistas defendem que todos os comércios não essenciais encerrem entre a véspera de Natal e 10 de janeiro. O teletrabalho deve ser favorecido e as escolas devem manter-se fechadas se possível.

A ideia é usar a época das festas para manter as pessoas o mais possível em casa e quebrar as cadeias de transmissão.

Formada em Física, Merkel explicou: "De uma coisa tenho a certeza, é possível mudar muitas coisas mas não a gravidade, a velocidade da luz e outros factos". E acrescentou: "Sendo os números o que são, temos de fazer alguma coisa".

Até porque "se tivermos demasiados contactos antes do Natal e acabar por ser o último Natal com os avós, é porque fizemos algo mal".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG