Menino de 4 anos salvo com vida nos escombros de edifício que ruiu na Índia

O edifício com 47 apartamentos que desabou na segunda-feira, provocou a morte a pelo menos 13 pessoas. Mas há várias dezenas ainda desaparecidas nos escombros.

As equipas de resgate retiraram nesta terça-feira uma criança de 4 anos viva dos escombros do edifício que desabou na segunda-feira em Mahad, oeste da Índia, incidente que provocou a morte a pelo menos 13 pessoas.

De acordo com um vídeo filmado pela agência France-Presse (AFP), a multidão presente no local aplaudiu quando o menino foi retirado dos escombros e transportado para uma maca.

O prédio tinha 10 anos e foi construído sobre fundações "fracas", disse um ex-parlamentar do Mahad, Manik Motiram Jagtap, à TV9 Marathi. "Desabou como um castelo de cartas. É uma situação horrível", declarou.

Ainda não se sabe o que provocou o colapso da estrutura, mas o desabamento de edifícios é frequente no país durante a temporada das monções, que vai de junho a setembro. As tragédias acontecem principalmente com imóveis construídos desrespeitando os regulamentos e usando materiais abaixo do padrão.

Se por um lado as monções desempenham um papel crucial para a agricultura no sul da Ásia, por outro, trazem chuvas fortes que prejudicam as fundações dos imóveis.

Em 2020, a monção já matou 1.200, incluindo 800 só na Índia, de acordo com a agência France Presse.

O edifício com 47 apartamentos que desabou na segunda-feira, provocou a morte a pelo menos 13 pessoas, explicitou o porta-voz da Força Nacional de Resposta e Desastres, Sachidanand Gawde. Pelo menos 60 pessoas poderão estar soterradas nos escombros deste prédio.

"Ninguém sabe exatamente quantas [pessoas] estão presas dentro" do prédio, disse à AFP um funcionário da polícia de Mahad, sob a condição de anonimato.

As autoridades temiam inicialmente que houvesse cerca de 200 pessoas soterradas, mas um balanço posterior reviu os números para cerca de 60.

Vários residentes encontravam-se longe das habitações no momento do colapso do edifício.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG