Príncipe Harry e Meghan Markle vão ser pais

O anúncio oficial foi feito esta segunda-feira de manhã pelo Palácio de Kensington

O príncipe Harry do Reino Unido e Meghan Markle, de 37 anos, ​​​vão ser pais. O anúncio oficial foi feito esta segunda-feira de manhã pelo Palácio de Kensington. "Suas Altezas reais, os duques de Sussex estão muito felizes por anunciar que a duquesa de Sussex está à espera de um bebé para a primavera de 2019. Suas Altezas reais agradecem todo o apoio que têm recebido de todo o mundo desde o casamento em maio e estão muito felizes por partilhar a boa-nova com o público", lê-se na nota, divulgada nas redes sociais.

A rainha Isabel II, o duque de Edimburgo, o príncipe de Gales, a duquesa da Cornualha e os duques de Cambridge já fizera saber que estão "encantados" com a notícia.

De acordo com os media britânicos, Doria Ragland, mãe de Meghan Markle, afirmou estar "muito feliz" com a "notícia adorável" e que mal pode esperar para dar as boas-vindas ao primeiro neto.

Os dois casaram-se a 19 maio e estão agora na Austrália, naquela que é a primeira viagem oficial do casal fora do Reino Unido.

A viagem incluirá a participação nos Jogos Invictus, uma visita a um zoológico em Sidney e o serviço de ambulância aérea Flying Doctor, uma organização sem fins lucrativos para o atendimento de saúde a pessoas que vivem em áreas remotas.

Os Jogos Invictus foram criados pelo Príncipe Harry e os concorrentes são militares e ex-militares feridos em combate.

O anúncio da gravidez da antiga atriz norte-americana acontece após o casamento da princesa Eugénia. A filha mais nova do príncipe André e da Duquesa de Iorque, Sarah Ferguson, casou-se na passada sexta-feira, 12 de outubro, com Jack Brooksbank.

O príncipe Harry, de 34 anos, é neto da Rainha Isabel II e o sexto na linha de sucessão ao trono britânico.

Exclusivos

Premium

EUA

Elizabeth Warren tem um plano

Donald Trump continua com níveis baixos de aprovação nacional, mas capacidade muito elevada de manter a fidelidade republicana. A oportunidade para travar a reeleição do mais bizarro presidente que a história recente da América revelou existe: entre 55% e 60% dos eleitores garantem que Trump não merece segundo mandato. A chave está em saber se os democratas vão ser capazes de mobilizar para as urnas essa maioria anti-Trump que, para já, é só virtual. Em tempos normais, o centrismo experiente de Joe Biden seria a escolha mais avisada. Mas os EUA não vivem tempos normais. Kennedy apontou para a Lua e alimentava o "sonho americano". Obama oferecia a garantia de que ainda era possível acreditar nisso (yes we can). Elizabeth Warren pode não ter ambições tão inspiradoras - mas tem um plano. E esse plano da senadora corajosa e frontal do Massachusetts pode mesmo ser a maior ameaça a Donald Trump.