Manaus pode ter atingido a imunidade de grupo, aponta estudo

A cidade brasileira foi das mais atingidas pela pandemia, e um grupo de investigadores aponta agora, num estudo ainda sem revisão por pares, que a imunidade de grupo pode ter sido atingida. Nas últimas semanas os casos caíram a pique em Manaus.

A cidade de Manaus, fortemente atingida pela pandemia de coronavírus, pode ter tido tantos infetados que a sua população já beneficia atualmente da "imunidade de grupo", aponta um estudo preliminar.

Publicado no site medRxiv, o estudo analisou dados das infeções com modelagem matemática para estimar que 66% da população apresentava anticorpos contra o novo coronavírus em Manaus, onde o ritmo dos contágios foi rápido e brutal.

A percentagem pode ser alta o suficiente para ter ultrapassado o limiar da imunidade de grupo, que acontece quando um número suficiente de elementos de uma população fica imune a uma doença, que não consegue propagar-se mais com eficácia, indicam os autores do estudo, um grupo de 34 investigadores brasileiros e estrangeiros.

"A taxa de infeção excecionalmente alta sugere que a imunidade de grupo desempenhou um papel significativo na dimensão da epidemia", escreveram os autores do estudo, que ainda deve ser submetido à revisão por pares.

"Ao que tudo indica, a própria exposição ao vírus originou a queda no número de casos e mortes em Manaus", assinalou a coordenadora do estudo, Ester Sabino, professora da Faculdade de Medicina da Universidade de São Paulo (FM-USP), à Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo (Fapesp), que ajudou a financiar o trabalho.

Manaus foi cenário de caos quando a pandemia atingiu o pico naquela cidade, em maio. Mas o número de mortos na capital, de 2,2 milhões de habitantes, caiu drasticamente nas últimas semanas, para uma média de 3,6 por dia nos últimos 14 dias.

É hoje uma das cidades de mais rápida reabertura no país. O Brasil regista o segundo maior número de mortos pela covid-19 no mundo, 139 mil.

Especialistas em saúde avisam que tentar atingir a imunidade de grupo é um caminho perigoso para a formulação de políticas. "A imunidade de grupo por meio de uma infeção natural não é uma estratégia, é um sinal de que um governo fracassou no controlo de um surto e está a pagar por isso com vidas perdidas", escreveu no Twitter Florian Krammer, professor de Microbiologia na Icahn School of Medicine do Hospital Monte Sinai, em Nova Iorque. Outros especialistas advertem que a imunidade ao vírus pode ser de curto prazo.

Manaus regista 2462 mortes causadas pelo novo coronavírus. Se fosse um país, a cidade teria a segunda maior taxa de mortalidade do mundo, com 100,7 óbitos a cada cem mil habitantes.

Outras Notícias

Outros conteúdos GMG