Macron diz que Trump vai procurar solução para aquecimento global

O chefe de Estado francês disse que o Presidente dos Estados Unidos lhe garantiu que ia procurar uma solução nos próximos meses relativamente à saída do país do acordo sobre alterações climáticas.

O 'Journal du Dimanche' publica hoje vários excertos da entrevista a Emmanuel Macron, em que o Presidente francês afirma que França "começou a construir com Trump uma relação de confiança sobre um conjunto de temas estratégicos, incluindo os desacordos".

Entre estes temas está, em particular, a questão das alterações climáticas, depois de Donald Trump ter anunciado a retirada dos Estados Unidos da América do Acordo de Paris, um dos assuntos abordados no encontro que mantiveram na capital francesa na quinta-feira.

"Donald Trump ouviu-me. Entendeu o sentido da minha ação, sobretudo o vínculo que existe entre o aquecimento global e o terrorismo. Disse-me que ia tratar de encontrar uma solução nos próximos meses", afirmou Emmanuel Macron.

"Creio que também viu a mobilização das cidades, dos estados [no seu próprio país], do mundo dos negócios e da sua própria envolvente para que os Estados Unidos continuem comprometidos na luta contra o aquecimento" global, acrescentou o presidente francês.

Na conferência de imprensa conjunta que os dois chefes de Estado deram na quinta-feira depois desta entrevista, Donald Trump sugeriu que "algo poderá ocorrer" relativamente à sua posição quanto às alterações climáticas.

"Vamos ver o que se passa, mas falaremos quando chegar o momento. Se acontecer alguma coisa seria maravilhoso e se não se passar nada estará bem também", disse o presidente norte-americano num comentário que dá lugar a múltiplas interpretações.

Exclusivos

Premium

Alentejo

Clínicos gerais mantêm a urgência de pediatria aberta. "É como ir ao mecânico ali à igreja"

No hospital de Santiago do Cacém só há um pediatra no quadro e em idade de reforma. As urgências são asseguradas por este, um tarefeiro, clínicos gerais e médicos sem especialidade. Quando não estão, os doentes têm de fazer cem quilómetros para se dirigirem a outra unidade de saúde. O Alentejo é a região do país com menos pediatras, 38, segundo dados do ministério da Saúde, que desde o início do ano já gastou mais de 800 mil euros em tarefeiros para a pediatria.