Lutas tribais na Papua-Nova Guiné fazem 24 mortos

Pelo menos 24 pessoas morreram nos últimos três dias na Papua-Nova Guiné, na sequência de lutas tribais. Entre os mortos encontram-se crianças e grávidas.

De acordo com uma agência de notícias local, ocorreram pelo menos dois incidentes em pequenas localidades no distrito de Tari-Pori, região de Hela. No domingo, sete pessoas foram mortas em Munima e, na segunda-feira, 16 mulheres e crianças foram golpeadas até à morte em Karida. Duas das mulheres estavam grávidas.

William Bando, administrador da província de Hela, solicitou um reforço de 100 polícias para apoiar os cerca de 40 elementos que já se encontravam na região.

O primeiro-ministro, James Marape, natural desta região, disse tratar-se de "um dos dias mais tristes da [sua] vida", prometendo reforçar a segurança e encontrar e julgar os culpados.

"Como é que uma província com 400 mil habitantes pode funcionar com apenas 60 agentes da polícia nas autoridades, com operacionais militares ocasionais e uma polícia que não faz mais do que manutenção de pensos rápidos", questionou o primeiro-ministro na publicação, garantindo que não tem "medo de usar as medidas mais fortes" para punir "os criminosos que mataram pessoas inocentes. Aos Haguai, Okiru e Liwi, bem como a outros em Tari que têm vivido à custa de matar outros, eu vou atrás de vocês".

O agente da polícia Philip Pimua, responsável pelo centro de saúde da aldeia de Karida, deu o seu testemunho acerca do ataque ao jornal The Guardian.

"Acordei de manhã, fui acender o lume na cozinha e ouvi o som de armas. Depois, vi que algumas casas estavam a arder, pelo que percebi que os inimigos já estavam dentro da aldeia. Fugi e escondi-me nos arbustos. Depois, mais tarde, por volta das 9h ou 10h, voltei e vi os corpos cortados em pedaços e as casas ardidas", disse Pimua, acrescentando que conhecia todas as vítimas, mas que alguns deles estavam tão desfigurados pelo ataque que foi difícil identificá-los - "Estavam cortados aos pedaços. Não conseguimos reconhecer várias partes dos corpos, quais eram de quem."

Violência tribal na Papua-Nova Guiné

As batalhas entre clãs rivais duram há séculos neste país do Pacífico, mas tornaram-se mais mortais com a utilização de armas automáticas. Desconhece-se o motivo dos ataques, mas as rivalidades são frequentemente provocadas por disputas de fronteiras e por situações de roubo e violação.

As províncias da terras altas da Papua-Nova Guiné são muito remotas e as comunidades ainda se baseiam em tradições tribais, desmerecendo um governo central. ​​​​​​​

Atualizado a 10 de julho

Exclusivos

Premium

Catarina Carvalho

Clima: mais um governo para pôr a cabeça na areia

Poderá o mundo comportar Trump nos EUA, Bolsonaro no Brasil, Erdogan na Turquia e Boris no Reino Unido? Sendo esta a semana do facto consumado do Brexit e coincidindo com a conferência do clima da ONU, vale a pena perguntarmos isto mesmo. E nem só por razões socioideológicas e políticas. Ou sobretudo não por estas razões. Por razões simples de simples sobrevivência do nosso planeta a que chamamos terra - porque é isso que é fundamentalmente: a nossa terra. Todos estes líderes são mais ou menos populistas, todos basearam as suas campanhas e posteriores eleições numa visão do mundo completamente conservadora - e, até, retrógrada - do ponto de vista ambiental. E embora isso seja facilmente explicável pelas razões que os levaram à popularidade, é uma das facetas mais perigosas da sua chegada ao poder. Vem tudo no mesmo sentido: a proteção de quem se sente frágil, num mundo irreconhecível, em acelerada e complexa mudança, tempos de um paradigma digital que liberta tarefas braçais, em que as mulheres têm os mesmos direitos que os homens, em que os jovens podem saber mais do que os mais velhos... e em que nem na meteorologia podemos confiar.

Premium

Pedro Lains

Boris Johnson e a pergunta do momento

Afinal, ao contrário do que esperava, a estratégia do Brexit compensou, isto é, os resultados das eleições desta semana deram uma confortável maioria parlamentar ao homem que prometeu a saída do Reino Unido da União Europeia. A dimensão da vitória põe de lado explicações baseadas na manipulação das redes sociais, da imprensa ou do eleitorado. E também põe de lado explicações que colocam o desfecho como a vitória de uma parte do país contra outras, como se constata da observação do mapa dos resultados eleitorais. Também não se pode usar o argumento de que a vitória dependeu de um melhor uso das redes sociais, pois esse uso estava ao alcance de todos e se o Partido Trabalhista não o fez só ele pode ser responsabilizado. O Partido Conservador foi mais profícuo em mentiras declaradas, mas o Partido Trabalhista prometeu coisas a mais, o que é diferente eticamente, mas não do ponto de vista da política eleitoral. A exceção, importante, mas sempre exceção, dada a dimensão relativa da região, foi a Escócia, onde Boris Johnson não entrou. Mas a verdade é que o Partido Conservador conseguiu importantes vitórias em muitos círculos tradicionalmente trabalhistas. Era nessas áreas que o Manifesto de esquerda tradicional teria mais hipóteses de ganhar, pois são as áreas mais afetadas pela austeridade dos últimos nove anos. Mas tudo saiu ao contrário. Porquê?