Líderes mundiais saúdam "passo decisivo" entre Rússia e Ucrânia

Troca de prisioneiros está a ser vista como um impulso ao normalizar das relações entre os dois países.

A troca de prisioneiros efetuada este sábado entre a Rússia e a Ucrânia está a ser saudada pela comunidade internacional como um "sinal de esperança" no caminho do diálogo. Emmanuel Macron veio sublinhar o passo dado pelos dois países. Numa publicação feita esta tarde na rede social twitter, o presidente francês destaca a libertação do cineasta ucraniano Oleg Sentsov, afirmando: "Estivemos sempre ao vosso lado".

Macron junta-se, assim, a vários líderes mundiais, que já comentaram o passo dado agora por russo e ucranianos. Também no twitter, Donald Trump veio dizer que este pode ser um "primeiro passo de gigante para a paz", felicitando os dois países, em conflito há cinco anos.

Moscovo e Kiev trocaram 70 prisioneiros, 35 para cada lado. Entre eles está Oleg Sentsov, prémio Sakharov em 2018 - uma distinção atribuída pelo Parlamento Europeu para homenagear quem se dedica à defesa dos direitos humanos e da liberdade - e cuja libertação era há muito exigida pela comunidade internacional. O cineasta ucraniano foi feito prisioneiro em 2014, na Crimeia, depois de ter protestado contra a anexação deste território pela Rússia. Foi acusado de estar a preparar ataques terroristas e condenado a 20 anos de prisão. O ano passado esteve 145 dias em greve de fome.

Da lista constam também 24 militares capturados pela Rússia no final de 2018, em navios ao largo da Crimeia.

A chanceler alemã, Angela Merkel, qualificou como um "sinal de esperança" a troca de prisioneiros entre a Rússia e a Ucrânia, reforçando que "vale a pena continuar a trabalhar arduamente para implementar os acordos de Minsk". Num comunicado divulgado através do Twitter pelo seu porta-voz, Steffen Seibert, Ângela Merkel garante o empenhamento da Alemanha neste processo.

Também a União Europeia disse esperar que "todas as partes aproveitem este impulso" para continuar a avançar no caminho do diálogo. "Esta libertação revela a determinação daqueles que trabalharam incansavelmente para este resultado, incluindo a sociedade civil, ativistas e especialistas legais", sublinhou a alta representante para a Política Externa da UE, Federica Mogherini.

Segundo a agência AFP, citada pela Lusa, dois autocarros foram vistos a sair hoje da prisão de alta segurança de Lefortovo, em Moscovo, marcando o início desta troca de prisioneiros entre os dois países. As imagens foram transmitidas em direto pela televisão estatal russa.

Na quinta-feira, o Presidente russo, Vladimir Putin, tinha anunciado uma troca "em grande massa" de prisioneiros com a Ucrânia. "Estamos a aproximar-nos da finalização das negociações", indicou Putin no Fórum Económico do Oriente, que decorreu esta semana em Vladivostok, acrescentando então que a data seria conhecida em breve.

"Será uma normalização completa das nossas relações. É inevitável. Somos duas partes da mesma pessoa", disse o presidente russo.

Exclusivos

Premium

Ferreira Fernandes

A angústia de um espanhol no momento do referendo

Fernando Rosales, vou começar a inventá-lo, nasceu em Saucelle, numa margem do rio Douro. Se fosse na outra, seria português. Assim, é espanhol. Prossigo a invenção, verdadeira: era garoto, os seus pais levaram-no de férias a Barcelona. Foram ver um parque. Logo ficou com um daqueles nomes que se transformam no trenó Rosebud das nossas vidas: Parque Güell. Na verdade, saberia só mais tarde, era Barcelona, toda ela.

Premium

Maria Antónia de Almeida Santos

Dos pobres também reza a história

Já era tempo de a humanidade começar a atuar sem ideias preconcebidas sobre como erradicar a pobreza. A atribuição do Prémio Nobel da Economia esta semana a Esther Duflo, ao seu marido Abhijit Vinaayak Banerjee e a Michael Kremer, pela sua abordagem para reduzir a pobreza global, parece indicar que estamos finalmente nesse caminho. Logo à partida, esta escolha reforça a noção de que a pobreza é mesmo um problema global e que deve ser assumido como tal. Em seguida, ilustra a validade do experimentalismo na abordagem que se quer cada vez mais científica às questões económico-sociais. Por último, pela análise que os laureados têm feito de questões específicas e precisas, temos a demonstração da importância das políticas económico-financeiras orientadas para as pessoas.

Premium

Marisa Matias

A invasão ainda não acabou

Há uma semana fomos confrontados com a invasão de territórios curdos no norte da Síria por parte de forças militares turcas. Os Estados Unidos retiraram as suas tropas, na sequência da inenarrável declaração de Trump sobre a falta de apoio dos curdos na Normandia, e as populações de Rojava viram-se, uma vez mais, sob ataque. As tentativas sucessivas de genocídio e de eliminação cultural do povo curdo por parte da Turquia não é, infelizmente, uma novidade, mas não é por repetir-se que se deve naturalizar e abandonar as nossas preocupações.