Líderes judeus acusam Corbyn de apoiar antissemitismo

O Conselho de Deputados e o Conselho de Liderança planeiam fazer esta tarde uma manifestação, antes de entregar a carta aos deputados trabalhistas

Representantes da comunidade judaica britânica acusaram esta segunda-feira Jeremy Corbyn de se pôr repetidamente ao lado de pessoas com opiniões antissemitas, algo que este rejeita.

Numa carta aberta divulgada hoje, o Conselho de Deputados Judeus Britânicos e o Conselho de Liderança Judaica afirmaram que o líder trabalhista e da oposição foi visto com gente que "descaradamente tem opiniões antissemitas".

Estas organizações planeiam fazer esta tarde uma manifestação frente ao parlamento britânico de Westminster, antes de entregar a carta aos deputados trabalhistas.

Os líderes judeus reagiram desta forma por considerarem que observam diariamente insultos antissemitas em reuniões trabalhistas e discussões na internet e que as pessoas que nelas participam têm Corbyn com uma referência política.

A comunidade judaica também critica o apoio de Corbyn ao pintor de um mural de conotações antissemitas colocado no bairro de Tower Hamlets, na zona este de Londres, em 2012.

Corbyn, pela sua parte, pediu "sinceras desculpas" pela dor causada por casos de antissemitismo no seu partido.

O líder trabalhista disse que espera reunir-se nos próximos dias com representantes da comunidade judaica.

"O Partido Trabalhista é um partido contrario ao racismo e eu condeno absolutamente o antissemitismo; por isso é que eu, como líder do Partido Trabalhista, quero deixar claro que não vou tolerar qualquer forma de antissemitismo dentro e em torno do nosso movimento. Devemos eliminá-lo do nosso partido", disse.

Exclusivos

Premium

Legionela

Maioria das vítimas quer "alguma justiça" e indemnização do Estado

Cinco anos depois do surto de legionela que matou 12 pessoas e infetou mais de 400, em Vila Franca de Xira, a maioria das vítimas reclama por indemnização. "Queremos que se faça alguma justiça, porque nunca será completa", defende a associação das vítimas, no dia em que começa a fase de instrução do processo, no tribunal de Loures, que contempla apenas 73 casos.